Ataques promovidos contra trabalhadores cristãos em diversas partes do país chamam a atenção para o levante traçado por grupos nacionalistas hindus. Uma TV local filmou extremistas do Vishwa Hindu Parishad (VHP) espancando o pastor Walter Masih, e transmitiu as imagens no dia 29 de abril.

No último dia 7 de maio, no Estado de Maharashtra, os telespectadores assistiram extremistas hindus agredindo dois evangelistas, Ramesh Gopargode e Ajit Belavi, da organização Amigos da União Missionária, no distrito de Kolhapur.

Ambos os ataques foram filmados por canais de televisão privados. John Dayal, membro do Conselho Nacional de Integração da Índia, disse ao Compass que nunca viu ataques tão violentos promovidos na presença de câmeras de TV. Segundo ele, os ataques televisados podem incitar “que outros façam o mesmo”. Por outro lado, John ressalta que “pelos menos eles documentam a violência sofrida pelos cristãos”.

Inimigos do cristianismo

O porta-voz da Arquidiocese Católica de Nova Délhi, Dominic Emmanuel, disse ao Compass que o VHP vem promovendo estes ataques porque “deseja conquistar um amplo apoio das massas hindus a partir da sugestão de que a religião dos cristãos é perigosa, bem como as atividades evangélicas que trazem novos convertidos ao cristianismo”.

“O Rashtriya Swayamsevak Sangh, que congrega grupos extremistas (incluindo o VHP), tem uma pauta de criação da nação hindu e está tentando fazer com que os hindus acordem para proteger a sua religião”, disse Dominic.

Segundo o porta-voz, “a afirmação de que os cristãos vão destruir o hinduísmo é uma crença totalmente infundada, mas que vai ajudar os extremistas a consolidarem seus votos e voltarem ao poder, sob a idéia de que vão concretizar o sonho de criar uma nação hindu”.

John Dayal, que também é secretário-geral do Conselho Cristão Para Toda a Índia (AICC, sigla em inglês), disse que o objetivo é enviar a mensagem de que a comunidade hindu tem “inimigos” além dos muçulmanos da Índia e que eles devem se colocar como “protetores” dos hindus e da sua religião.

Extremistas hindus sustentam que a minoria muçulmana e as comunidades cristãs constituem uma ameaça à sua religião – os muçulmanos porque “realizam ações terroristas” e os cristãos porque promovem “conversões forçadas”.

Os muçulmanos representam quase 14% das cerca de 1 bilhão de pessoas que vivem na Índia. Os cristãos não passam dos 2,3%. Já a maioria da população, 82%, é hindu.

Táticas de sobrevivência

John Dayal, ao enfatizar que os extremistas hindus precisam de um inimigo para sobreviverem, disse que se eles não tivessem muçulmanos e cristãos no país, o RSS certamente concentraria seu alvo nos dalits ou demais comunidades tribais, além de qualquer um que não seguisse o Hindutva (nacionalismo hindu) e cultuasse a deusa encarnada “Mãe Índia”.

“Devemos nos lembrar e lembrar ao mundo que a Índia é tida como uma nação secular e não como uma teocracia hindu”, disse John. “Não é fácil combater o Hindutva. Até os governadores não conseguem escapar dessa ideologia porque seus ministros e outras autoridades, até mesmo o Partido Congressista e partidos socialistas, freqüentemente ou em algum momento se submeteram”.

Ele ressaltou que o governo indiano tem levado a perseguição aos muçulmanos com mais seriedade do que a perseguição aos cristãos. “Nós estamos intermediando para garantir que a violência anticristã obtenha a mesma atenção que é dada à violência antimuçulmana, de acordo com a lei religiosa formulada no Parlamento”.

Religião dos dalits

Algumas centenas de cristãos marcharam nas ruas de Nova Délhi no dia 29 de maio para protestar contra o silêncio do governo em relação aos crescentes ataques sofridos por eles. O reverendo Madhu Chandra disse ao Compass que nos últimos quatro meses foi registrado pelo menos um ataque aos cristãos de etnia dalit intercalados, um dia sim, um dia não.

De acordo com o Conselho Cristão Para Toda a Índia, pelo menos um ataque foi registrado a cada três dias em 2006. John Dayal disse ainda que o cristianismo está se tornando uma religião diurna porque “a comunidade cristã se sente insegura depois do pôr-do-sol”.

Joseph D’Souza, presidente do Conselho Cristão Para Toda a Índia, escreveu recentemente para o primeiro-ministro da Índia pedindo ações urgentes de proteção à minoria cristã. Ele alertou para o fato de que o silêncio do governo poderá resultar na morte de muitos cristãos.

Questão política

O Bharatiya Janata Party (BJP), que está à frente do governo federal e é líder da Aliança Democrática Nacional de março de 1998 a maio de 2004, é um braço político do RSS. Parte da ideologia Hindutva prevê que os não-hindus devem se submeter a eles, sem qualquer direito especial ou igualitário.

O BJP perdeu a eleição geral de 2004 para o Partido Congressista , conduzido pela Aliança Unida Progressista, mas continua a controlar diversos Estados: Gujarat, Madhya Pradesh, Chhattisgarh, Rajasthan, Uttarakhand, Punjab, Karnataka e Bihar.

Apesar de a próxima eleição geral estar marcada para ocorrer em 2009, os partidos políticos já estão se preparando para a disputa.

Fonte: Portas Abertas