Um homem procurado pela polícia escolheu a Igreja Matriz de Venâncio Aires para promover cenas de tensão durante a manhã desta sexta-feira. Após invadir o templo armado, afirmou aos fiéis que iria se suicidar.

A princípio, o objetivo dele seria relatar à imprensa sua versão sobre um crime do qual é acusado.

Eram cerca de 8h30 quando Ilário Roberto Pereira, 45 anos, ingressou na igreja, se voltou para as pessoas que rezavam no local e afirmou que pretendia se matar. Os fiéis correram para fora e acionaram a Brigada Militar. Ao chegarem, os PMs encontraram Ilário os esperando no fundo do templo, junto ao Sacrário.

A primeira exigência de Ilário foi o comparecimento da imprensa. Ele pediu que fosse chamado o repórter Alvaro Pegoraro, da Folha do Mate, a quem conhecia. Alegou que pretendia dar ao jornalista sua versão sobre um caso de estupro.

O crime em questão é atribuído ao próprio Ilário. Conforme informou o comissário Paulo Borba, da DP de Venâncio Aires, o suspeito teria violentado uma garota de 10 anos com suposta conivência da mãe dela no abuso. Por isso, o acusado já estava com prisão preventiva decretada.

Alvaro Pegoraro foi autorizado a entrar às 9h05. Ele teve que usar um colete à prova de balas e, por ordem dos policiais, ficou a sete metros do suspeito. Segundo o jornalista, Ilário queria apenas dizer que a mãe da vítima o incentivava a violentar a menina. “Ele desejava que sua versão fosse publicada e insinuou que se mataria logo após dar a entrevista. Disse que gostaria de desabafar”, informou o repórter.

Por fim, Ilário concordou em se entregar aos PMs. Por volta do meio-dia, ele saiu da igreja escoltado pelo comandante da BM de Venâncio, capitão Cristiano Marconatto, por outros PMs e bombeiros. Ele foi medicado no hospital e, como estava com a prisão decretada, foi conduzido ao Presídio Regional de Santa Cruz do Sul.

Fonte:Gazeta do Sul