O pastor presidente da União Norte Brasileira da Igreja Adventista do 7º Dia (Missão Maranhense), Ezequias Melo de Freitas Guimarães, esteve no Jornal Pequeno, onde deixou correspondência em que nega que dois homens, de nomes Carlos e Valdeci – que se apresentaram a uma família do Coroadinho como adventistas do 7º Dia –, sejam membros da igreja.

Carlos e Valdeci praticaram atos de curandeirismo que levaram Edmilson Lindoso, de 48 anos, à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Socorrão I, com queimaduras graves provocadas por um “escalda-pés” de água fervendo, que deveria, segundo os falsos religiosos, ajudar a melhorar sua circulação sangüínea. Veja os trechos essenciais da correspondência do pastor Ezequias Guimarães:

“Em nenhuma Igreja adventista do 7º Dia é praticado curandeirismo, e nem os termos narrados no Boletim de Ocorrência apresentam informação de que qualquer dos fatos ocorreram em dependências da Igreja Adventista.

“Ademais, imediatamente ao tomarmos conhecimento da notícia pela publicação do jornal, a direção da Igreja Adventista no Maranhão investigou os supostos fatos e constatou que nenhum membro de nossa igreja está envolvido no episódio que, conforme divulgado, teria ocasionado a internação do senhor Edmilson Lindoso, com o lamentável agravamento de sua saúde, conforme narrado na reportagem.

“A Igreja Adventista do 7º Dia não pratica nenhum tipo de curandeirismo nem curas com ervas ou outros produtos de fins medicinais. Nossa igreja tem por objetivo a divulgação da Palavra de Deus, contida na Bíblia Sagrada, e divulga, por meio de palestras, pregações, cultos – para cumprir seu objetivo, que é a pregação do Evangelho –, as Boas Novas da Salvação em Jesus Cristo.

“A direção da igreja compareceu à delegacia em que foi registrado o Boletim de Ocorrência e confirmou que tais indivíduos [Carlos e Valdeci] não fazem parte do rol de membros da Igreja Adventista, colocando-se à disposição da autoridade policial para todo e qualquer esclarecimento que se fizer necessário.

Fonte: Jornal Pequeno