Igreja Adventista no Acre coordenou o movimento “Quebrando o Silêncio”. O objetivo é chamar atenção para os casos de violência de modo geral.

Com o tema “Quebrando o silêncio”, fiéis da Igreja Adventista de Rio Branco se reuniram, na manhã deste sábado (14), em frente ao Palácio do Governo, no centro da cidade. O ato contou com a apresentação do coral kids da escola Adventista, além de exposição de cartazes que alertavam a população sobre a violência.

A diretora da Escola Adventista de Rio Branco, Gertrudes Maria, ressaltou a importância do ato e responsabilidade da igreja como formadora de cidadãos. “O nosso intuito é colaborar com a sociedade porque nós achamos que, como cristãos, que temos uma responsabilidade social e dizer um não a qualquer tipo de violência. Não podemos ficar calados diante de tanta violência. O colégio veio dizer não ao bullying , a violência nas escolas está tremenda e diante dessa realidade, nós viemos dizer que somos a favor da paz, do respeito mútuo, assim como Cristo nos ensinou”, disse.

O pastor da igreja central José Carlos Bezerra, ressalta a preocupação com o ser humano. “Nós não olhamos as pessoas visando apenas uma face delas, financeiro ou os trabalhos que elas podem fazer. Olhamos os benefícios que elas podem trazer. Hoje, como a violência está em ‘alta’, a igreja não pode ficar em silêncio. A instituição está convocando a sociedade a não se calar, mas abrir a boca, para que os violentos possam se acalmar”.

Um quarteto convidado de Rondônia esteve no evento, além da participação dos fiéis que levaram cartazes com frases do tipo “queremos mais amor”, “quem ama não machuca” e “quebrando o silêncio”.

A diretora da escola disse que a música é uma maneira de passar a mensagem que está sendo proposta durante o ato. ” A música é uma forma de trazer alegria e paz, por isso trouxemos a música para a praça e também para ajudar a sociedade”.

Para quem participou do evento fica um sentimento de cidadania e alerta. Maria da Glória é da Igreja Adventista do bairro Mocinha Magalhães, fez questão de participar do evento. “Esse ato é muito importante para toda a família. Hoje nós vivemos em uma sociedade que existe abusos dentro de casa. As mães, pais e jovens têm que estar alerta”, ressaltou.

Para as jovens estudantes, Alicia Saboia e Beatriz Kaliup , a manifestação é uma forma de chamar a atenção para um assunto cada vez mais constante no cotidiano. ” A violência hoje em dia acontece muito, as pessoas não podem ter medo de falar. Não podem se calar”, falou Beatriz.

Mais experiente, Raimundo Valentino, acredita que o pedido chama a atenção das autoridades de segurança. “O que nós queremos é mais segurança, amor e paz. Por isso nós estamos aqui pedindo que as autoridades tomem providências para amenizar a violência. Deus deixou o homem para fazer justiça na terra, por isso estamos pedindo essa competência e que as pessoas procurem saber o amor que Deus tem por cada um de nós”, finaliza.

[b]Fonte: G1 – Acre[/b]