Flávio D’Urso, advogado dos fundadores da Igreja Renascer, Sonia e Estevam Hernandes, se disse surpreso com a nova audiência dos bispos marcada para agosto nos Estados Unidos. Ele acreditava que o casal fosse liberado da prisão domiciliar e do monitoramento eletrônico depois do acordo fechado na última quarta-feira com a Procuradoria.

Na sexta-feira, 8 de junho, Sonia e Estevam Hernandes confessaram à Justiça americana terem entrado com US$ 56 mil no país sem declarar à alfândega e o crime de conspiração, por terem agido em conjunto. A sentença sai apenas em 17 de agosto. Com a confissão, o casal quer evitar um júri popular e tentar reduzir a pena, que para os dois crimes pode chegar a 10 anos de cadeia.

O casal confessou o crime três vezes. Em uma delas, Sonia começou a chorar. Perguntados se tinham certeza, disseram ‘sim’. O juiz fez um alerta: pode fixar uma pena maior ou menor do que a prevista no acordo. Ele vai levar em conta dois atenuantes: a confissão e o fato de Sonia e Estevam terem mostrado arrependimento. Mas há também um agravante: parte do dinheiro estava com um filho do casal, menor de idade.

Depois da confissão, os dois deixaram o tribunal em direção à casa deles na Flórida, onde vão aguardar a sentença. Segundo informações não oficiais, o acordo com a promotoria teria previsto uma pena de seis meses. Sonia e Estevam Hernandes perdem o direito de recorrer de qualquer decisão da Justiça. Depois de cumprirem a sentença, eles devem ser deportados para o Brasil.

Quanto à prisão preventiva decretada pela Justiça brasileira, D’Urso afirmou que aguarda a decisão favorável do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre pedido de habeas corpus. Segundo ele, o acordo na Justiça Americana pode favorecer o casal na decisão do STF.

– Vou juntar esse acordo ao habeas corpus e encaminhar ao STF – adiantou o advogado, que preside a OAB-SP.

Fonte: O Globo Online