A ira voltou a inflamar o mundo islâmico, quando mal se havia apagado a cólera que o percorreu em fevereiro passado, da Nigéria às Filipinas, passando por todo o mundo árabe, o Irã e o sul do continente asiático – onde se concentra quase a metade dos fiéis da religião de Maomé -, devido às caricaturas do profeta.

A Al Qaeda, através de vários grupos terroristas associados à rede, prometeu levar a “guerra santa até a derrota” da cristandade.

“Quebraremos a cruz e derramaremos o vinho … Deus ajudará os muçulmanos a conquistar Roma … nos fará capazes de cortar o pescoço … dos infiéis e dos déspotas”, diz um texto publicado na Internet pelo Conselho Consultor Mujahedin, grupo que serve de guarda-chuva para a Al Qaeda no Iraque. O grupo adverte: “Aos devotos da cruz, (o papa) e o Ocidente, dizemos que os derrotaremos da mesma forma que estão vendo todos os dias no Iraque, Afeganistão e Chechênia”.

No Irã, o líder supremo da revolução islâmica, aiatolá Ali Khamenei, também reagiu com dureza às palavras do papa. Sem mencionar pelo nome o presidente dos EUA, George Bush, Khamenei referiu-se à “cruzada contra o Islã empreendida por certos políticos” e considerou que o discurso de Bento 16 é “o último elo” dessa “cadeia de complôs” contra a fé de Maomé. Segundo Khamenei, os muçulmanos devem enfrentar uma grande conspiração, que, começando pela invasão do Iraque e continuando pelas “caricaturas insultuosas” ao profeta, pretende criar “crises inter-religiosas no mundo e fomentar o confronto entre as religiões”, informa a agência France Presse.

O dirigente xiita indicou que os protestos devem ser dirigidos contra o Grande Satã, nome usado para designar os EUA no Irã. “Todo mundo deve considerar que o Grande Satã é o responsável”, por ser quem se beneficia das “injustas palavras do papa”, indicou o chefe espiritual da revolução islâmica e substituto de seu fundador, Khomeini.

O porta-voz do governo iraniano indicou que as desculpas apresentadas pelo papa são “um bom gesto”, mas explicou que “não é suficiente”. O porta-voz salientou que “é necessário que o papa expresse de maneira mais clara e franca que suas palavras foram pronunciadas por engano e que as corrija o mais cedo possível”, informa a agência Reuters.

Enquanto isso, sucedem-se as manifestações de protesto. Na segunda-feira em Basora, a segunda cidade do Iraque, mais de 500 pessoas queimaram uma efígie do pontífice e o grupo radical sunita Ansar al Suna ameaçou os ocidentais, especialmente italianos e alemães: “Reservamos para vocês a espada, em resposta à sua arrogância”.

No Marrocos, o rei Mohamed 6º também se levantou como um dos principais defensores do Islã. Além de ser o chefe de Estado ele também é Comendador dos Crentes em seu país. Depois de protestar e chamar seu embaixador no Vaticano, continuou ontem pelo terceiro dia sua atividade diplomática.

“Dirijo-me ao senhor”, afirmou em uma carta enviada ao papa, “na sua qualidade de chefe da Igreja Católica, para lhe pedir que tenha com o islã o mesmo respeito que com os demais cultos”. A carta foi publicada ontem pela agência oficial de imprensa marroquina, MAP. O Islã, insiste, “exorta à paz e à moderação e rejeita, pelo contrário, a violência”.

No Egito, o Parlamento solicitou que sejam congeladas as relações diplomáticas com o Vaticano e exigiu que o papa apresente “desculpas diretas e claras”.

Por sua vez, o chefe da União Mundial de Ulemás (sábios) Islâmicos, o egípcio residente no Catar Yusef al Qaradaui, instou todos os muçulmanos do mundo a expressar sua ira na próxima sexta-feira. Mas Al Qaradaui ressaltou que devem ser manifestações não-violentas, nas quais não se ataquem os cristãos ou as igrejas, e pediu que não se repitam os tristes acontecimentos de fevereiro passado, quando mais de dez pessoas morreram em diversos países em protestos contra as caricaturas de Maomé, informa a agência Efe.

O governo islâmico da Somália afirmou na segunda-feira que deterá e levará à justiça os que mataram no domingo a freira italiana Leonella Sgobarti. Na Jordânia, vários deputados cristãos e muçulmanos protagonizaram uma reunião de uma hora e 14 sindicatos assinaram um comunicado no qual se considera que as palavras de Bento 16 “alimentam a feroz campanha de ódio lançada pelo sionismo internacional”. O texto salienta que são “insultantes” para os árabes em geral, tanto cristãos como muçulmanos. As reações violentas também se sucederam. Na Indonésia, a Frente de Defensores do Islã, grupo radical do país com maior população muçulmana do mundo – 85% dos 230 milhões de habitantes -, pediu a “crucificação do papa”. que qualificou de “pequeno e vil”.

Centenas de simpatizantes desse grupo protestaram diante da embaixada do Vaticano em Jacarta, com cartazes que identificavam o Vaticano com o “eixo do mal”, terminologia usada por Bush para referir-se ao Iraque, Irã e Coréia do Norte.

Na Turquia, um homem de 29 anos disparou contra uma igreja protestante de Ancara, sem causar vítimas. O papa deverá viajar para esse país em novembro.

Fonte: El Pais