O Islamismo estaria necessitando de uma “Reforma”, como aquela feita no Cristianismo, iniciada exatamente no dia 31 de outubro de 490 anos atrás. Foi o que afirmou a bispa luterana alemã, Margot Kaessmann, numa entrevista a um diário de Hannover, Alemanha.

“Um exame crítico das próprias tradições, talvez até mesmo colocando-as em discussão, comporta uma fase de liberação” _ disse Margot Kaessmann, ao jornal “Hannoverschen Allgemeine Zeitung”, em sua edição desta quarta-feira, 31 de outubro. Nesse contexto _ acrescentou _ “também para o Islã, uma reforma seria uma boa coisa”.

A bispa sublinhou, todavia, que esse movimento reformista deve vir do interior do próprio Islamismo, e não ser imposto de fora, do exterior.

Ressaltando que as idéias de Martinho Lutero são mais que nunca atuais, a bispa lamentou que o aniversário da exibição das 95 teses de Lutero, na igreja de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517 _ data considerada, por tradição, como o início da Reforma Protestante _ seja pouco considerado atualmente.

Fonte: Rádio Vaticano