Cinco anos depois, a situação dos cristãos do Iraque está pior do que nos tempos de Saddam Hussein. Ministro alemão do Interior afirmou que Alemanha está disposta a receber cristãos perseguidos no Iraque.

Em reunião do Comitê de Direitos Humanos do Parlamento alemão, na noite de quarta-feira (09/04), o ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble, afirmou procurar uma solução européia para o problema dos refugiados cristãos do Iraque.

Sem fixar números, Schäuble declarou que a Alemanha deverá receber refugiados cristãos iraquianos perseguidos. O ministro discutirá o tema na conferência de secretários alemães do Interior na próxima semana. Ainda não está claro se os refugiados receberão visto permanente.

Desde 2004, metade do 1,5 milhão de cristãos iraquianos está no exílio. Segundo o presidente da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Wolfgang Huber, os cristãos no Iraque seriam obrigados a se converter ao Islamismo e pagar dinheiro de proteção, além de temer por suas vidas.

Há muito que as Igrejas alemãs se engajam pelos cristãos perseguidos no Iraque. O bispo Huber exige uma regra generosa de asilo para os refugiados cristãos do país.

Êxodo incomparável de cristãos

Em carta ao ministro alemão do Interior, o presidente do Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK), Hans Joachim Meyer, exigiu que a Alemanha acolhesse refugiados cristãos.

Não somente o assassinato do arcebispo de Mosul [cidade do norte iraquiano], Paulo Faraj Rahho, antes da Páscoa, mostraria que um retorno dos cristãos iraquianos à sua pátria seria impossível, mencionou Meyer.

Meyer afirmou que a instabilidade política, a situação econômica como também a reislamização do país teriam levado a um êxodo incomparável de cristãos do Iraque. Segundo Meyer, dois mil anos de história da cristandade na região mesopotâmica ameaçam desaparecer.

Segundo o presidente do ZdK, deverão ser considerados, principalmente, os refugiados que já se encontram em outros países, como a Síria. Tais Estados teriam que arcar com a maior leva de refugiados e teriam esgotado sua capacidade de asilo, disse Meyer.

Irmãos e irmãs cristãs

Esgotada também está a capacidade de acolhimento das regiões curdas do Iraque, consideradas relativamente seguras para os cristãos do país, afirmou Hartmut Koschyk, deputado social-cristão no Parlamento de Berlim.

Koschyk afirma que os cristãos iraquianos asilados em países muçulmanos também estariam entregues à própria sorte, já que não receberiam a proteção de estruturas de clãs islâmicos.

Por esta razão, Koschyk exige uma solidariedade com os cristãos do Iraque através da ajuda humanitária no próprio Iraque e em países vizinhos e através do acolhimento de um número restrito de refugiados na Alemanha.

O Partido Verde alemão saúda o plano de receber refugiados cristãos do Iraque, mas afirma que abrir as fronteiras alemãs somente para cristãos seria uma atitude hipócrita.

Volker Beck, porta-voz para assuntos de direitos humanos dos Verdes, afirmou que “nós temos que ajudar a todos que estão sendo perseguidos, não podemos dizer que estes são nossos irmãos e irmãs cristãs e renegar os outros com diferentes identidades”.

Fonte: DW World