Um alemão enviou um pacote contendo uma peça que fazia parte da tumba de um faraó à Embaixada do Egito em Berlim, com um bilhete dizendo que seu avô havia sido vítima da “maldição dos faráos” ao furtar o objeto, informaram autoridades do Egito nesta quarta-feira.

No bilhete, o alemão disse que se sentiu “obrigado” a devolver a peça após a morte do avô para que a alma dele possa “descansar em paz”.

O avô teria furtado a peça durante uma visita ao Egito em 2004 e, logo após retornar da viagem, teria sofrido paralisia, náusea e febres inexplicáveis, até morrer recentemente de câncer, segundo a nota enviada pelo remetente anônimo à embaixada na Alemanha.

Representantes da Embaixada enviaram a peça para o Egito, e ela foi entregue ao Conselho Supremo de Antigüidades, onde especialistas deverão certificar se o objeto é autêntico.

A crença de que uma maldição recai sobre qualquer pessoa que profanar a tumba ou a múmia dos faraós do Egito surgiu após a descoberta da tumba de Tutankhamon, em 1922.

O responsável pela escavação, Lord Carnarvon, morreu logo após a descoberta.

Fonte: Folha Online