A americana Kia Scherr, que teve o marido e a filha assassinados nos atentados em Mumbai, na Índia, no último dia 26, disse que perdoa os terroristas. A declaração foi dada nesta quinta-feira pela rede de TV americana CNN. Nos ataques, 196 pessoas morreram e cerca de 300 foram feridos.

“Nós precisamos mandar para eles [terroristas] o nosso amor, o perdão e compaixão”, afirmou Kia que citou Jesus Cristo para expressar a tristeza. “Cristo já dizia: perdoe, eles não sabem o que fazem”.

Nos ataques, terroristas do grupo Mujahedin de Deccan –grupo desconhecido que assumiu a autoria dos atentados– atingiram diversos pontos de concentração de turistas ocidentais. Os hotéis Taj Mahal e Oberoi Trident, além do aeroporto internacional, foram alguns alvos.

Explosões também foram registradas em outros pontos, como a estação de trem Chhatrapati Shivaji, uma das mais movimentadas da Índia, um cinema, delegacias, um hospital que atendia feridos nos ataques e o popular Café Leopoldo, muito freqüentado por turistas e gente de Bollywoody, a indústria cinematográfica indiana.

De acordo com o relato divulgado pela emissora, a mulher disse que os terroristas são “ignorantes e que estão encobertos por revolta e medo”. “Nós precisamos mostrar que o amor é possível e que ele é capaz de vencer o medo. Essa é a minha escolha”, disse a americana.

O marido Alan Scherr, 58, e a filha, Naomi Scherr, 13, estavam no grupo de 25 pessoas que viajaram para a Índia para um retiro de meditação espiritual. Autoridades disseram que o pai e a filha foram encontrados mortos em um restaurante do hotel Oberoi Tridente, onde o grupo estava hospedado.

Kia Scherr, que não estava na viagem, disse que está enfrentando “uma profunda tristeza e dor”. O fundador do grupo de meditação, Charles Cannon, que estava com o marido de Kia nos ataques– no hotel Oberoi Trident– afirmou que Alan estava discutindo o próximo dia de atividades para o grupo quando foi baleado.

Fonte: Folha Online