Em entrevista ao Jornal Pequeno, a vocalista do grupo Diante do Trono, a pastora Ana Paula Valadão, fala de suas idéias, do perfil do grupo, seu chamado e missão

Quem foi ao show do grupo Diante do Trono, no último sábado, 17, deve ter sentido uma emoção diferente: foram horas e horas de louvor e adoração ao Senhor. Mas o projeto do grupo para São Luís não se encerrou com o show.

De acordo com o site www.diantedotrono.com.br, a coordenadora de intercessão, Ezenete Rodrigues, declarou que “agora, praticamente um ano depois, estamos às vésperas da próxima gravação de mais um CD Diante do Trono, e esse ano não será diferente. Deus tem maiores promessas para o nosso Brasil, e para que elas se cumpram estamos novamente nos organizando para interceder. Ainda estamos trabalhando arduamente para o resgate do nosso Brasil, e o nosso coração continua voltado para a Palavra de II Crônicas 7:14. Este ano o Senhor nos direcionou para o norte do nosso país. Belém será a cidade que hospedará a próxima gravação, onde clamaremos mais uma vez para que a presença de Deus transforme o nosso país. Para isso, contamos com as suas orações. Se você esteve conosco em anos anteriores, será bem vindo a estar novamente. Caso ainda não tenha participado, essa é uma grande oportunidade”, conclamou.

No ano passado, foram trabalhadas as cinco regiões do nosso país: sul, sudeste, norte, nordeste e centro-oeste. Esse ano a estratégia é para trabalhar com bases em cada estado. “A nossa convocação é para você, como representante do seu Estado. Como líder de sua igreja, ou congregação, você tem autoridade espiritual para guerrear e profetizar sobre a nossa terra. Esse é um chamado do Senhor, não do Diante do Trono ou da Igreja Batista da Lagoinha, mas sim do Senhor dos senhores, para o Corpo de Cristo. Se você sente tocado pelo Senhor a aceitar esse chamado, queremos contar com você. Entre em contato conosco, independente da região onde você está, ou até mesmo se você estiver em outro país. Você está convocado a se juntar a nós em oração. Quero profetizar sobre a sua vida uma nova unção, uma nova visão, autoridade e ousadia no Senhor. Para sua meditação, leia o Salmo 27. Queremos contar com você como parte desse grande exército de adoradores e intercessores”, afirmou Ezenete Rodrigues. Para quem quer saber os detalhes, basta acessar a página do grupo.

A seguir, os principais trechos da entrevista que a cantora Ana Paula Valadão concedeu no Hotel Praia Mar.

O surgimento, propósito e sucesso do grupo
“Nós somos membros de uma igreja, a Batista da Lagoinha, em Minas Gerais e há muitos anos, nós já cantávamos dentro de nossa igreja. Então, sentimos em nosso coração que a gente devia gravar um CD para tornar as nossas canções públicas para outras igrejas, outras pessoas. Estávamos experimentando coisas tão lindas dentro de nossa comunidade e sentimos que era tempo de espalhar isso. Em 1998, gravamos o primeiro CD e as igrejas do Brasil inteiro, tanto evangélicas como católicas puderam perceber que tinha algo novo acontecendo. As pessoas começaram a cantar as canções em suas casas, em suas igrejas… espalhou mesmo. Desde o princípio, a gente canta o que vive, o que experimenta. As canções vêm do nosso coração, da nossa fé. Com essa verdade é que as pessoas se identificam. De 98 para cá, temos gravado um CD todos os anos. Em 2001, aconteceu algo muito importante: nós recebemos um entendimento de que nossos eventos deveriam ser uma convocação para que as pessoas se unissem a nós para orarmos pelo nosso país. Isso trouxe mais adesão. O Brasil precisa de Deus, precisa de Jesus, da restauração, da cura, da transformação e do perdão que só Deus pode trazer. Essa nossa mensagem tem atraído as pessoas e acredito que por isso temos alcançado tantas pessoas”.

Apoio a políticos
“Nós temos um desejo imenso de separar as coisas. A gente sabe que tem muito político oportunista, onde quer que a gente vá que fica querendo aliar a imagem ao grupo. Às vezes, ele não participou em nada da organização do evento, não ajudou em nada, nem em uma liberação para o evento, e às vezes ele quer subir no palanque. Como também existem políticos que participaram da produção do evento e eles têm mais do que o direito de participar. Nós temos muito cuidado para diferenciar. Alguns até já nos ajudaram e compreenderam quando pedimos que eles não subam ao palco (…) essa questão da política é muito complicada, principalmente em ano eleitoral. Sempre que temos oportunidade, nós oramos pelas autoridades, pelos governantes. E uma coisa eu afirmo: o Diante do Trono não faz campanha política, nunca aceitamos convite de político. Não vamos misturar as coisas. Se a gente apoiar candidato, vamos sair de nossa visão”.

Vinda a São Luís
“Eu já estive aqui com meu esposo e com o grupo é a primeira vez. Hoje volto como mãe, com meu filho, que é uma resposta de Deus, que fez muita coisa dentro do meu coração. Nessa época, eu conheci o ministro de louvor Antonio Cirilo. Foi muito bom. Estamos muito felizes. A escolha de São Luís é porque cremos que é o tempo de Deus de investirmos nessa região. Deus colocou no nosso coração esse ano para vir ao Norte-Nordeste, orar pelo povo, quebrar muitas maldições no mundo espiritual. Pisar aqui e ajudar vocês nessa batalha espiritual, adorando e entronizando o Senhor nessa terra. Dia 15 de julho vamos gravar nosso CD em Belém do Pará e São Luís faz parte desse projeto. Já estivemos em Macapá, em Manaus e cremos que é cercar Belém do Pará, para declarar que o Brasil é do Senhor Jesus”.

Lidando com a fama
“A gente tem sempre que fazer uma revista na nossa vida, porque nosso inimigo não aparece todo feio, ele sempre aparece com sutilezas, com coisas que querem penetrar no nosso coração como se não tivesse nada a ver e quando a gente percebe, já estamos todos embaraçados. Todo o dia a gente tem que parar na presença do Senhor. Como grupo, toda semana a gente faz uma reunião para orar, ler a Palavra, sempre se esvaziando de qualquer coisa que tenta nos prender. A fama e o sucesso são facas de dois gumes. Você entra na vida das pessoas, é admirado por ser um modelo e pode achar que você é alguma coisa, é especial. Quem trabalha com arte pode ficar tentado com essa vaidade. E nós temos a consciência de que somos apenas um canal, tudo o que temos vem de Deus. Temos sempre que lembrar disso”.

Excelência, Santidade e Amor
“Em tudo o que fazemos, procuramos fazer o melhor. Nem sempre a gente consegue, mas nos esforçamos. Nós somos limitados, a gente erra, mas a gente aprende. A cada ano a gente melhora em tudo o que faz, nas nossas produções, tudo o que fazemos, a gente procura melhorar, porque a gente acredita que Deus merece o nosso melhor. Não existe aquela mentalidade de dizer que é pra Deus, a gente faz de qualquer jeito. Nós ensaiamos muito mesmo (…) tudo que fazemos para Deus é com excelência, buscando sempre um coração que agrade ao Senhor, como também na nossa aparência, no lidar com as pessoas, na nossa empresa, nos nossos negócios, nas pequenas coisas. Isso não quer dizer que estamos esnobando, não quer dizer pompa. Sempre buscamos a eficiência. Santidade é algo imprescindível para nós que nos dizemos cristãos. A Palavra diz que sem santidade, ninguém verá o Senhor, ninguém pode ver a Deus. Nós somos adoradores e queremos contemplar o Senhor. Queremos ter comunhão com Ele, queremos conhecê-lo e se não nos santificarmos, não poderemos alcançar isso. Tem até uma canção que a gente vai cantar no dia 15 (em Belém), que está baseada em I João que diz que nós o veremos face a face e seremos como ele é. Todo aquele que tem essa esperança se santifica dia após dia. Então nos santificamos porque queremos ser como ele É.

E o amor, porque muitas pessoas confundem santidade com uma série de regras, as pessoas confundem santidade com uma aparência exterior e quando falta amor, falta tudo. A nossa canção baseada em I João fala que o pecado e o diabo andam juntos, porque o diabo peca desde o princípio, mas aquele que é filho de Deus não vive no pecado. Se alguém vive no pecado, não se engane: é filho do diabo. Filho de Deus não vive no pecado e se santifica todos os dias. E foi para isso que se manifestou o Senhor Jesus Cristo: para nos purificar do pecado e para destruir as obras do diabo. E a canção termina dizendo que aquele que não vive no pecado e não ama seu irmão, nunca viu e nem conheceu a Deus. Então, a santidade e o amor andam juntos. Você pode passar horas em oração, em jejum e consagração. Se você sair daquele momento e não tiver amando mais as pessoas, você teve um momento cheio de regras e rituais, de religiosidade apenas, mas você não teve um encontro com Deus. A nossa santidade tem que nos levar a amar mais, a ter mais misericórdia, compaixão e paciência.

Então a gente colocou essas três palavras na nossa missão porque a gente quer influenciar as pessoas com essa idéia”.

Pregação da palavra
“Quando a gente fala do amor de Deus, essa mensagem alcança a todos, porque nós podemos ser diferentes do lado de fora, mas nossos corações têm os mesmos anseios. A Palavra que vem da boca de Deus é que nós vamos cantar, falando sempre. Nós queremos sempre é que as diferenças desapareçam e que Jesus seja apontado como verdadeiro caminho e que todos que quiserem, possam entrar pela porta e passar pelo caminho. Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Temos essa preocupação em todas as nossas apresentações. E que toda necessidade seja suprida pela presença de Deus enquanto nós ministramos, enquanto nós louvamos. E que cada pessoa transformada seja usada para transformar, para fazer diferença em suas famílias, em seus locais de trabalho, na sociedade onde elas estão inseridas, porque isso vai valer a pena”.

O grupo de dança
“Esse resgate da dança é tão importante porque ela é um símbolo da liberdade que nós temos no Espírito Santo. O culto a Deus é durante toda a nossa vida e às vezes colocamos numa caixinha: o sujeito vai para a igreja e acha que só é esse momento que de deve cultuar e de uma forma específica. Isso é regra, limitação. Na verdade, o culto a Deus deve ser com toda a sua mente, seu corpo, sua alma. Jesus sempre enfocou a questão da motivação. Porque não cultuar a Deus com nossos gestos, nosso corpo, nossa dança? Dançar para Deus representa esse entendimento e essa liberdade que temos em dar para o Senhor o nosso tudo. Devemos fazer tudo para Deus, em qualquer atividade. A totalidade de nossa vida deve ser para o Senhor”.

Fonte: Jornal Pequeno – São Luis/MA