Primazes anglicanos, reunidos em Alexandria na terça-feira, 3, pedem ao presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, que respeite o resultado das eleições do ano passado e se retire do poder.

Igrejas da Comunhão Anglicana preparam, para a Quarta-Feira de Cinzas, 25 de fevereiro, um dia de oração e solidariedade ao povo do Zimbábue.

“É extremamente preocupante o fato de que as regras previstas em lei estão sendo quebradas naquele país, e também que o processo democrático está sendo destruído”, apontam os primazes anglicanos, reportando-se às eleições gerais de 31 de março de 2008 em que Mugabe violou o processo para permanecer no poder.

“Há um total desrespeito pela vida, demonstrada pelos sistemáticos seqüestros, tortura e assassinatos da população, comandados por Mugabe. A economia do Zimbábue sofreu um colapso, o que fica claro pela enorme circulação de moedas estrangeiras no país”, alegam os primazes em declaração emitida em favor do povo do país africano.

Cristãos do Zimbábue estão sendo privados do acesso às igrejas. O povo vê os direitos humanos serem violados, num país assolado pela fome e por uma devastadora epidemia de cólera.

Os primazes pedem ao Arcebispo de Cantuária e ao Conselho Anglicano das Províncias da África que mandem um representante ao Zimbábue para exercer o ministério de solidariedade ao povo. Pedem ainda uma reunião com o presidente da União Africana e outras lideranças políticas do continente para levantar e discutir os pedidos e as lutas da população do Zimbábue.

Os líderes anglicanos aplaudem a iniciativa da Diocese São Marcos Evangelista que, com a colaboração da Comunhão Anglicana e da Província da África do Sul, criaram capelania na fronteira do Zimbábue com a África do Sul para prestar atendimento aos refugiados.

Fonte: ALC