A organização internacional de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional anunciou sua decisão de passar a apoiar a prática de aborto em algumas circunstâncias especiais, deixando de lado sua tradicional neutralidade sobre o assunto.

A Anistia diz que fará campanha pelo direito ao aborto em casos como o de mulheres vítimas de aborto ou incesto.

A decisão inicial havia sido tomada em abril, mas somente foi ratificada nesta sexta-feira durante uma conferência anual, realizada neste ano no México.

A decisão do comitê executivo da Anistia, em abril, de apoiar o acesso ao aborto por mulheres vítimas de estupro, incesto ou violência ou em casos em que a gravidez significa risco de vida ou de saúde à mulher, havia sido recebida com fortes protestos por parte de organizações cristãs.

Ameaça

Algumas organizações, incluindo a Igreja Católica , ameaçaram retirar seu apoio à Anistia caso a decisão fosse ratificada.

Líderes da Igreja Católica em particular acusaram a Anistia de trair seus compromissos com os direitos humanos, e um alto membro do Vaticano pediu aos católicos que parem de financiar as atividades da ONG.

Mas os delegados da Anistia reunidos no México deram seu apoio unânime à decisão, insistindo que estavam defendendo a habilidade das mulheres de exercer seus direitos sexuais e reprodutivos livres de coerção e violência.

A Anistia vem trabalhando em países onde a ocorrência de estupros é disseminada e em outros nos quais as mulheres que fazem abortos podem ser severamente punidas.

Fonte: BBC Brasil