Anna Carolina Jatobá, 24 anos, madrasta da menina Isabella Nardoni, participou nesta tarde de um culto evangélico realizado pelas detentas da Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé.

A 4ª Câmara Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) promove hoje o julgamento do mérito do pedido de habeas-corpus de Alexandre Nardoni, 29 anos, e de Anna Carolina, acusados de matar a menina Isabella, 5 anos, no dia 29 de março.

Segundo Alexandre Jatobá, pai de Anna Carolina, sua filha está orando muito para que tudo dê certo. Ele e a mulher estiveram ontem na penitenciária visitando Anna Carolina. “Todos nós estamos com muita esperança. A esperança não pode acabar nunca. Ela (Anna Carolina) está aguardando a decisão e orando muito. A Anna ia participar hoje ao meio-dia de um culto na penitenciária.”

Segundo ele, Anna Carolina recebeu no último domingo um álbum de fotografias com toda a família, inclusive imagens de Isabella. “Nessa última visita, levamos coisas que a gente sempre leva para ela e também um álbum de fotos. Tem uma das fotos dela e do Alexandre com as crianças em que aparece a Isabella.”

O advogado Antonio Nardoni, pai de Alexandre, visitou o filho no último sábado acompanhado da mulher. Ele acredita em um julgamento técnico e na concessão do habeas-corpus.

O pedido de habeas-corpus do casal será avaliado por quatro desembargadores, entre eles Caio Canguçu de Almeida, relator do processo. Almeida negou em caráter liminar a concessão do habeas-corpus no dia 13 de maio. A sessão da Quarta Câmara Criminal está prevista para as 10h no Fórum João Mendes Júnior, no centro da capital.

Antes do julgamento, os advogados de defesa do casal devem fazer uma sustentação oral sobre o caso com cerca de 15 minutos de duração.

Isabella Nardoni, 5 anos, foi encontrada ferida no dia 29 de março no jardim do prédio onde moram o pai Alexandre Nardoni e a madrasta Anna Carolina Jatobá, na zona norte de São Paulo. Segundo os Bombeiros, a menina chegou a ser socorrida e levada ao Pronto-Socorro da Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta da 0h.

O inquérito policial apontou que ela foi agredida, asfixiada e jogada do sexto andar do edifício. No dia 18 de abril, Alexandre e Anna Carolina foram indiciados por homicídio doloso, triplamente qualificado. No dia 6 de maio, o promotor Francisco Cembranelli denunciou e pediu a prisão preventiva do casal, aceita pela Justiça. Alexandre está preso na Penitenciária Dr. José Augusto Salgado (P-2), em Tremembé (SP), e Anna Carolina, na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, também em Tremembé.

A audiência das testemunhas de acusação está prevista para acontecer nos dias 17 e 18 de junho no 2º Tribunal do Júri. O casal estará presente para acompanhar os depoimentos de 16 testemunhas indicadas pelo Ministério Público. A audiência das testemunhas de defesa ainda não foi agendada.

Fonte: Terra