A dois dias da visita do papa Francisco a Cuba e aos Estados Unidos, a Santa Sé criticou o embargo à ilha, afirmando que a medida causa “desconfortos e sofrimentos”. De acordo com o secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, a posição do Vaticano é “contrária” ao embargo, pois “este tipo de sanção provoca desconfortos e sofrimentos à população, que é afetada”.

Parolin também argumentou que uma “revogação do embargo pode proporcionar uma abertura maior do ponto de vista da liberdade e dos direitos humanos” na ilha. “É com este ponto que a Santa Sé afronta a questão e que, nas Nações Unidas e nas assembleias gerais, sempre apoia as moções que pedem o fim do embargo a Cuba”, comentou. A declaração do representante de política externa da Santa Sé foi dada durante uma entrevista ao Centro Televisivo Vaticano por ocasião da viagem de Francisco a Cuba e aos Estados Unidos.

O líder da Igreja Católica embarca no próximo sábado (19) rumo à ilha, onde visitará as cidades de Havana, Holguín e Santiago. No dia 22, ele segue viagem para os Estados Unidos, onde passará por Washington, Filadélfia e Nova York, para um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas. Francisco será o terceiro representante da Igreja Católica a pisar no país.

[b]Fonte: Jornal do Brasil[/b]