As eleições parlamentares de 2015, no Sri Lanka, mostraram um apoio incontestável para o partido do atual presidente. Por outro lado, os grupos extremistas budistas, que haviam formado seu próprio partido político, receberam apenas 1% dos votos. De acordo com os relatórios da Portas Abertas: “Embora o país esteja em busca de um caminho para a reconciliação nacional e o governo tente apaziguar o relacionamento entre todos os grupos que representam a nação, fica claro o quanto Maithripala Sirisena valoriza a filosofia budista”.

[img align=left]https://www.portasabertas.org.br/images/1120054/30_SriLanka_0310008319.jpg[/img]”É notável como o presidente favorece os budistas radicais e incentiva suas atividades futuras. Enquanto isso, cristãos e muçulmanos sofrem com os ataques dos radicais apoiados pelo governo, e até pela força policial do país, que é lenta defende-los”, comenta um dos analistas de perseguição da Portas Abertas.

Mas apesar de tudo, os cristãos são positivos e conseguem enxergar que Deus está no controle da vida deles, apesar de tudo o que vivem: “Foi encorajador ouvir o ministro das Relações Exteriores falar no Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, reconhecendo as deficiências do país e anunciando uma abordagem nacional sobre a questão das pessoas desaparecidas. Esse é o primeiro passo para o reconhecimento das atrocidades de guerra e injustiças cometidas contra a minoria cristã. A esperança é que este processo no final leve a uma sociedade mais inclusiva, mas é claro que as palavras têm de ser seguidas pelas ações”, conclui o analista.

[b]Fonte: Portas Abertas Internacional[/b]