O Bispo da Diocese de Umuarama, no noroeste do Paraná, Dom João Mamede afirmou em entrevista coletiva que a Igreja não pode ser responsabilizada pelo crime de pedofilia que foi cometido pelo ex-padre José Sipriano da Silva.

Dom Mamede defendeu que a Igreja não pode controlar seus sacerdotes nos períodos que eles estão de folga. “Ele (José Sipriano da Silva) é uma pessoa adulta, dona e responsável pelos seus atos. A Igreja não consegue e não tem o direito de vigiar o que os seus sacerdotes fazem a noite dentro de casa, é impossível”, declarou o Bispo da Diocese de Umuarama.

A Diocese de Umuarama foi condenada em uma ação por danos morais pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pagar R$ 50 mil a família de um dos quatro meninos que acusaram um padre de São Tomé, também no noroeste do Paraná, de ter cometido abusos sexuais contra eles em 2002.

À época das acusações o padre foi afastado e logo após o julgamento criminal foi expulso da Igreja. No julgamento do STF, o ex-padre também foi condenado a pagar R$ 50 mil a uma das vítimas.

Dom João Mamede argumenta que a Diocese está recorrendo da questão legal, da multa aplicada, e não da atitude e ações tomadas por Silva. “Quando o padre praticou esses atos, ele não praticou em nome do ministério pelo qual ele era responsável e sim em nome dele. A lei não pode responsabilizar a Igreja por isso”, detalhou Dom Mamede.

Nos próximos dias a Diocese de Umuarama vai entrar com um processo para recorrer da decisão do STJ. O Bispo de Umuarama concluiu que todos os casos de pedofilia que ocorreram dentro da Igreja são tratados com rigor e os envolvidos julgados por meio do direito canônico.

[b]Fonte: CBN Foz[/b]