Compelido pelo amor de Cristo, um pastor da Turquia cuja igreja foi vandalizada por um grupo de extremistas muçulmanos se recusou a prestar queixa e perdoou aqueles que o perseguiram.

No dia 25 de fevereiro, um grupo de islamitas danificou as janelas e uma câmera de segurança de uma igreja, enquanto gritavam o slogan jihadista “Allahu Akbar” (“Alá é maior”). O ataque da multidão teria sido motivado pela grande quantidade de muçulmanos que estava se convertendo ao cristianismo naquela igreja, localizada na região do Mar Negro, na Turquia.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/media.guiame.com.br/archives/2016/07/26/1533999999-igreja-turquia.jpg[/img]Durante uma audiência no tribunal, vários meses depois, a igreja do Pastor Matta (nome completo não revelado por razões de segurança) surpreendeu o juiz, de acordo com um relatório publicado na semana passada pela Missão internacional ‘Christian Aid’.

“Durante o julgamento, o juiz perguntou-me se eu mantinha as acusações [contra os vândalos] ou não”, disse o pastor à organização. “Eu respondi: ‘Eu não mantenho as acusações, porque o Senhor me pediu para perdoar”.

“O juiz esperou por alguns segundos e perguntou de novo, dizendo: ‘Você não os está acusando nem pelos danos causados ??com as janelas quebradas e a câmera?”. Eu respondi: ‘Não, eu não quero mais isso; a única coisa que eu quero é que eles saibam que não somos pessoas más”, acrescentou.

O juiz então sorriu e afirmou que como o pastor se negou a manter a queixa, ele como juiz ia indiciá-los para causar danos a um local de culto.

Mas o que o homem quis fazer para o mal, Deus usou para o bem. Relatórios sobre o ataque e a resposta do pastor da congregação espalharam-se rapidamente por toda a região, levando muitos a visitarem a igreja.

“Louvamos a Deus porque após este ataque boas notícias sobre nós foram publicadas em muitos jornais e até mesmo alguns funcionários do governo vieram nos visitar”, disse o Pastor Matta.

Ele revelou que foi inspirado pelas palavras de Êxodo 14:14. A passagem bíblica diz: “O Senhor pelejará por vós, e vós vos calareis”.

O pastor disse que os muçulmanos estão aceitando Jesus em um ritmo impressionante, atraídos pelo amor e compaixão, demonstrados pelos cristãos.

[b]Testemunho[/b]

Ele compartilhou sobre um encontro recente com um refugiado cristão do Iraque, que fugiu com sua família para a Turquia, quando o Estado Islâmico começou a se aproximar de sua área, após a ocorrência de incêndios criminosos em aldeias vizinhas.

“Como éramos cristãos, não tínhamos nenhuma chance de sobrevivência ali”, disse o refugiado ao Pastor Matta. “Assim nós deixamos tudo para trás e viemos para a Turquia”.

O refugiado conta que um contrabandista se ofereceu para levá-los para a Grécia em um barco e seu filho aceitou a proposta, mesmo que isso fosse contra a vontade do pai. O refugiado ficou para trás, mas sua esposa, dois de seus filhos, uma nora e três netos embarcaram com o contrabandista.

“Sete pessoas da família deste homem perderam a vida, quando o barco que usavam para atravessar o Mediterrâneo e chegar à Grécia acabou afundando”, disse Pastor Matta. “Ele nos contou a sua história triste, com lágrimas nos olhos. Há muitas histórias como esta, daqueles cujas vidas são quebradas pelos horrores das obras do Estado Islâmico e, em seguida, chegam a uma igreja para ouvir as palavras de Jesus Cristo: ‘Tu amarás até mesmo seus inimigos”, contou o pastor.

A perseguição religiosa na Turquia é moldada pelo extremismo islâmico e cada vez mais marcada pela violência, de acordo com o grupo de vigilândia da Missão Internacional Portas Abertas nos Estados Unidos, que colocou o país como o 45º em sua lista de locais onde os cristãos sofrem mais com a intolerância.

No início deste ano, o presidente muçulmano Recep Tayyip Erdogan assumiu o controle de seis igrejas na cidade localizada ao sudeste do país. A região está devastada pela guerra de Diyarbakir.

Agora, essas igrejas que foram tomadas são de propriedade do Estado. A ação faz parte de um esforço para esmagar a liberdade de expressão e de movimento religioso.

Em meio à reação da comunidade cristã, o governo alegou que não havia motivos religiosos para que o governo também desapropriasse um número de mesquitas históricas na cidade. No entanto, o grupo de vigilância sobre a perseguição religiosa ‘World Watch Monitor’ aponta que as mesquitas na Turquia são financiadas pelo Estado, enquanto as igrejas precisam da ajuda de fundações cristãs para se manter no país.

[b]Fonte: Guia-me[/b]