A prisão, na semana passada, do fundamentalista mórmon e líder polígamo Warren Jeffs, é uma boa notícia para um ex-membro de sua seita, DeLoy Bateman, que culpa Jeffs por destruir sua família.

Bateman, 52, era um membro fiel da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e criou seus filhos para obedecerem sem questionar os comandos dos líderes da igreja. Porém, quando a igreja tentou tirar quatro de seus filhos, nascidos da segunda de suas duas mulheres, de sua casa seis anos atrás, ele se rebelou.

Bateman disse que se recusou a entregar as crianças à igreja, para serem enviadas a outra família, prática comum da liderança autoritária de Jeffs, que sentencia que as mulheres e crianças são propriedades da igreja.

O desafio de Bateman gerou bastante discórdia em sua grande família. Os três filhos mais velhos (de seus 17), ficaram do lado de Jeffs, que é considerado pelos membros da igreja como o único profeta vivo de Deus, e cortaram todo tipo de comunicação com o pai.

“Eles nunca mais poderão me ver”, disse Bateman na sexta-feira, do lado de fora de seu grande sobrado. “Qual é a diferença entre isso e a morte?”

Mesmo que seus três filhos continuem vivendo próximos a ele, nessa pequena e empoeirada comunidade na fronteira entre o Arizona e Utah, Bateman disse que “não faz idéia” de quantos de seus netos nasceram nos últimos anos.

“Eu perdi uma grande parte da minha família para aquele homem. Gostaria de vê-los algum dia”, disse.

A prisão de Jeffs na última segunda-feira, em Las Vegas, deu a Bateman um fio de esperança de que um líder mais moderado tome o controle da igreja de 10 mil membros e que, algum dia, possa conhecer seus netos.

Enquanto isso, Bateman diz querer vingança contra os atos de Jeffs.

Quando perguntado se queria que Jeffs, 50, passasse o resto da vida na cadeia, Bateman respondeu: “Espero que sim”.

A igreja mostra completa devoção à Jeffs pois os membros acreditam que ele determina se alcançarão o nível mais alto do “reino celestial”, na vida após a morte. Jeffs é a única pessoa da igreja com a autoridade de conduzir casamentos poligâmicos.

Mesmo que a igreja pratique a maioria das doutrinas da Igreja Mórmon, não existe afiliação direta entre as duas. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, baseada em Salt Lake City, proibiu a poligamia em 1890 e excomunga qualquer membro que a pratique.

Fonte: Último Segundo