Lilia Inés Travecedo, que se apresenta como apóstola da igreja Sua Casa Sou Eu, disse que recebeu ordens divinas de cobrar o dízimo.

Uma líder evangélica está cobrando do prefeito de Bogotá, Colômbia, os dízimos de seus salários por causa de uma oração feita por ela quando ele enfrentava problemas com a Justiça Eleitoral do país.

Lilia Inés Travecedo, que se apresenta como apóstola da igreja Sua Casa Sou Eu, afirmou que recebeu ordens divinas de cobrar o dízimo do prefeito Gustavo Petro, como forma de pagar as “bênçãos recebidas”, ou seja, sua reintegração ao cargo.

[img align=left width=300]http://i0.wp.com/noticias.gospelmais.com.br/files/2015/05/apostola-Lilia-Ines-Travecedo.jpg[/img]“Deus lhe mandou cobrar o dízimo”, disse a apóstola, que assegura que somente com suas orações foi possível que Petro fosse reintegrado ao cargo depois da destituição feita pela Justiça Eleitoral em dezembro de 2013.

“O único que recebeu a bênção que Deus te deu através de mim foi você”, afirmou Travecedo, em entrevista ao programa Noticias RCN, dirigindo-se ao prefeito. “O Senhor foi quem me mandou cobrar os dízimos”, acrescentou.

A pastora já havia cobrado o pastor por outros meios, inclusive cartas, onde cobra também $ 1,8 milhão de pesos colombianos (o equivalente a R$ 2.300,00 com a cotação de hoje, 15 de maio), com prazo de dois meses para quitação.

Como não obteve resposta, Travecedo adicionou juros e mora, e a “dívida” do prefeito passou a ser de $ 3 milhões de pesos colombianos (R$ 3.900,00), além de publicar uma carta-aberta ao prefeito no Facebook, o que gerou enorme repercussão entre os fiéis e cidadãos colombianos.

Não bastasse isso, a apóstola ainda pintou um quadro, com uma paisagem que teria sido inspirada por “vozes”, que a orientaram a vender ao prefeito pelo equivalente a R$ 18.200,00. Travecedo enviou o quadro ao prefeito sem perguntar se ele queria, e como o despacho não foi aceito pelo destinatário, foi devolvido à apóstola artista.

[b]Fonte: Gospel Mais[/b]