O Arcebispo de Pamplona e bispo de Tudela, Espanha, Dom Fernando Sebastián Aguilar, acusou o grupo terrorista basco ETA, (sigla de Euskadi Ta Askatasuna que, em português, significa “Pátria Basca e Liberdade”), de perversão “moral e política”.

No último dia 5, a organização terrorista basca ETA comunicou o fim de um cessar-fogo de 14 meses e meio (439 dias), seis meses após o atentado no aeroporto de Barajas, em Madri, que matou duas pessoas.

Horas depois de a ETA ter anunciado o fim de seu “cessar fogo permanente”, Dom Sebastián Aguilar assinalou que, “como cidadão e como bispo da Igreja Católica presente em Navarra, desaprovo profundamente essa decisão”.

“Uma vez mais _ ressaltou _ experimentamos a cegueira e a obstinação daqueles que pretendem impor a própria vontade política mediante a pressão e a ameaça do crime”.

“Junto com o papa _ acrescentou Dom Aguilar _ e com a Conferência Episcopal Espanhola, reitero que o terrorismo é essencialmente imoral e perverso, perturbador e destrutivo.”

O arcebispo de Pamplona evocou, a seguir, a necessidade de colaborar numa “luta comum contra a ETA, com todos os meios legais e morais disponíveis”.

“Confiemos em Deus e peçamos a Ele que ilumine as mentes e purifique os sentimentos daqueles que optaram por dominar com o ódio e que depositaram sua esperança no crime.”

Fonte: Rádio Vaticano