O arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, irá se reunir hoje com o Sínodo Geral da Igreja Anglicana, após ter sido criticado na semana passada por afirmar que é inevitável a adoção da sharia (lei muçulmana) na Grã-Bretanha.

Vários membros do sínodo, além de políticos, ativistas e religiosos, pediram a Williams que retire suas declarações. Segundo o jornal The Times, o premier britânico Gordon Brown pediu ao líder da Igreja Anglicana que esclareça sua posição em relação à sharia.

O jornal The Guardian informou que o arcebispo fará um discurso aos membros do sínodo para defender sua opinião sobre a lei muçulmana.

Após sua declaração, segundo a qual seria inevitável a adoção da sharia em alguns aspectos da sociedade, como o casamento, Williams explicou que não defende uma lei paralela à legislação britânica.

O arcebispo Gregory Venables disse que os comentários de Williams “foram uma surpresa”.

“Somado a outras declarações e atitudes do arcebispo nos últimos meses, isso só aumentará a sensação de que a confiança geral no líder da Igreja Anglicana caiu muito”, explicou Venables.

Fonte: ANSA