Ao final da manifestação “Cansei”, o empresário João Doria Jr. teria feito alguns desabafos. Como um dos líderes do grupo, teria rebatido críticas de elitismo e golpismo feitas ao movimento, reclamado do arcebispo de São Paulo, don Odilo Scherer – por ter se oposto a realização do ato dentro da Catedral da Sé -, e pedido tolerância ao presidente Lula.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, Doria disse que “o movimento atende aos anseios de diferentes segmentos da população brasileira. Não tinha 5 mil empresários na Sé. Nem 5 mil habitantes do Jardim Europa.

Nem 5 mil pessoas de determinado segmento da população. Você tinha trabalhadores, estudantes, jovens, descaracteriza por completo que é um movimento elitista”.

Ainda segundo a Folha de S.Paulo, o empresário disse que “quem nos levou para a praça foi o arcebispo de São Paulo, porque ele proibiu o ato dentro da catedral. Nunca tive notícia, no pior momento da ditadura no Brasil, de você proibir um culto ecumênico dentro de uma igreja, quanto mais na Catedral da Sé. Se o arcebispo viu conotação política no “Cansei”, viu errado”, complementou o empresário.

Fonte: Terra