O pernambucano José Ricardo Ferreira de Souza, 31 anos, foi achado morto na madrugada da última segunda-feira na Praia de Brighton, no Brooklyn, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Segundo informações repassadas pela polícia americana a um amigo de Ricardo, o corpo estava na água e apresentava sinais de estrangulamento e luta corporal.

A primeira hipótese é de latrocínio (roubo seguido de morte), já que estavam faltando o par de tênis e o telefone celular da vítima.

Além de trabalhar em um escritório de advocacia nos EUA, Souza era arcebispo da Igreja Antiga Católica Americana, um movimento católico independente surgido no final do século 19. Ele realizava trabalhos de assistência médica para menores, assistência jurídica para imigrantes e palestras para portadores do vírus HIV. Era conhecido como dom Ricardo Souza.

Segundo o amigo uruguaio Cláudio Bas, que também mora no Brooklyn, o pernambucano dividia um apartamento com um amigo e um casal. Ele teria saído para comprar refrigerante no domingo à noite, mas não voltou.

“Conversei com dom Ricardo às 22h30 (horário de Nova Iorque) e ele disse que ia comprar um refrigerante e voltaria a me ligar. Depois comecei a ficar preocupado, pois deu meia-noite e ele não tinha ligado ou retornado. Tentei contato e não consegui. No outro dia (segunda-feira) à tarde a polícia chegou na casa dele com a foto, perguntando se ele morava lá. Foi quando tivemos a notícia”, revelou, por telefone, ao JC.

Ainda de acordo com o uruguaio, a polícia americana informou que outro corpo (de uma vítima de overdose de drogas) foi encontrado perto de onde Souza foi achado, cerca de 30 minutos depois. O JC tentou entrar em contato com o detetive responsável pelo caso em Nova Iorque, mas ele não atendeu as ligações.

Na segunda-feira, Bas contatou as irmãs de Souza no Recife. “Foi uma surpresa. Ricardo era tão cheio de vida. Era uma pessoa religiosa e que gostava de ajudar a todos. Agora aconteceu esta tragédia”, lamenta a vendedora autônoma Silvânia Ferreira de Souza, 37.

Segundo Silvânia e a também irmã Maria Jose Ferreira de Souza, 34, o irmão tinha vindo ao Recife pela última vez em 2004. “Há 8 anos, ele foi para o Uruguai, e depois para os Estados Unidos, ganhar a vida. Tinha se casado e também adotado filhos”, disse Maria Jose. No entanto, elas não souberam fornecer maiores detalhes sobre a família de Souza.

Na página do pernambucano no site de relacionamentos Orkut, há uma foto dele com uma mulher chamada Suely, a quem ele chama de esposa, em Astoria, Nova Iorque. Também há fotos com os filhos Dennys, Ricardito e Nahuel. Segundo Cláudio Bas, a família de Souza mora no Uruguai, apesar de ele viver nos Estados Unidos.

Fonte: JC Online