Durante a celebração da última missa deste ano no plenarinho da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o arcebispo metropolitano de Campo Grande, Dom Vitório Pavanello, anunciou que nomeará um padre para estreitar os laços entre a Igreja Católica e os deputados estaduais e vereadores católicos.

“Sinto que os deputados não têm muito apoio da Igreja”, justificou, destacando a importância de “estreitar os laços” com os parlamentares católicos.

Como exemplo, ele citou ataques feitos ao Conselho Indiginista Missionário (CIMI), órgão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para apoiar os índios. De acordo com Pavanello, o Conselho não dispõe de recursos nem tem como objetivo semear a discórdia entre produtores rurais e indígenas.

Durante a celebração, disse que fará, no próximo mês, reunião com os deputados estaduais e vereadores católicos. “Vocês têm muito a nos ensinar”, ressaltou, ao se dirigir aos deputados estaduais Pedro Teruel (PT) e Dione Hashioka (PSDB), que acompanhavam a celebração no plenarinho. No entanto, citou ser necessário falar sobre a doutrina da igreja com os parlamentares.

Fazer o bem – Com o músico Alencastro e o funcionário da Assembléia, Thiago de Freitas Santos, no saxofone, a missa teve a presença de servidores, dos dois deputados citados e da diretora de Recurso Humanos e da Escola do Legislativo Senador Ramez Tebet, Marlene Figueira da Silva.

Durante a homilia, Dom Vitório disse que os deputados e os servidores do legislativo devem trabalhar visando o bem comum. “Todos devem trabalhar com o mesmo objetivo, pensar naqueles que precisam de nós”, pregou. “Trabalhar ainda mais pelo bem do nosso povo, quanto mais bem servido, mais Deus será glorificado”, disse.

Ele falou ainda da campanha de evangelização da Igreja Católica, que acontece até o dia 15 de dezembro. Pediu aos fiéis que sejam generosos nas doações.

Fonte: Agora MS