O porta-voz da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, presbítero Luciano Simões, disse que todos clamam por justiça. A esperança é de que a polícia identifique o mais rápido possível quem matou a estudante Márcia Andréia Constantino.

A menina desapareceu no sábado à noite, quando acompanhava os pais a um culto na igreja de Maringá. No domingo pela manhã o corpo foi encontrado em uma propriedade rural à margens da Rodovia PR-317, saída de Maringá para Iguaraçu.

“Temos o apoio da polícia, de políticos da cidade e das pessoas próximas à família. Estamos muito consternados com tudo o que aconteceu. A família dela é querida e atuante na igreja”, comenta o presbítero.

Para Simões, a maior dificuldade nas investigações é o fato de que as testemunhos sobre a saída de Márcia do templo, no sábado à noite, serem crianças que brincavam com ela. “A mais velha tem 6 anos de idade. As amiguinhas dela têm mudado a versão da história”.

As crianças afirmaram que Márcia saiu sozinha da igreja para comprar um bolo para uma pessoa. O culto no templo da Assembléia de Deus começou por volta das 19h30 e terminou às 22h30, quando a família deu falta da criança.

De acordo com o presbítero, Márcia ficou próxima aos pais até as 20h30. “Ninguém sabe ao certo o que aconteceu. Pedimos que o responsável pela morte dela se entregue à polícia. Deus está olhando por ele”, diz.

Conforme Simões, não havia seguranças no culto evangélico. Apenas vigilantes patrimoniais voluntários estavam na igreja.

Cerca de 1.300 pessoas participavam do evento religioso – 300 acompanhavam a cerimônia por um telão na parte externa do templo. A igreja calcula que 200 crianças estavam no local.

Segundo a tia de Márcia, Odélia Constantino, a garota não tinha o costume de conversar com pessoas estranhas. “Por isso achamos que quem a levou foi alguém muito conhecido e próximo dela”, acredita.

A Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Maringá classificou o episódio como uma ação violenta e insana e que os membros da instituição religiosa estão profundamente consternados e solidários à família da vítima. No domingo, a igreja divulgou uma nota à imprensa sobre o assassinato da estudante.

Fonte: O Diário Online