Dois militantes islâmicos, Hafez Mahmud e Mohammad Salauddin, da grupo Jamaatul Mujahideen Bangladesh (JMB) foram sentenciados à morte por assassinar um muçulmano convertido ao cristianismo, em Bangladesh.

O crime aconteceu em setembro de 2004. Abdul Gani Gomes, que era cristão há mais de 15 anos, foi atacado por quatro pessoas enquanto voltava para casa. Hafez e Mohammad estavam entre os assassinos.

A pena capital foi deliberada em um rápido julgamento na capital do país, Daca. O tribunal considerou os dois militantes culpados de assassinato premeditado, e os condenou à forca.

Hafez e Mohammad confessaram que mataram o homem porque ele havia abandonado o islamismo. A mídia local afirmou que o cristão havia “irritado” os assassinos com suas atividades evangélicas.

O governo culpa o grupo JMB pelas 500 explosões coordenadas que atingiram todo o país em 17 de agosto de 2005. Duas pessoas morreram nessas explosões. O JMB deseja transformar Bangladesh de uma democracia secular para um regime islâmico, com a introdução da lei sharia.

Fonte: Portas Abertas