A Justiça de Minas Gerais condenou a Assembleia de Deus a pagar R$ 20 mil em danos morais ao casal identificado pelas iniciais A.G.S. e V.L.P.M.S.

Segundo o processo, eles foram nomeados 1º e 2º tesoureiros da AD de Nova Serrana. No final de 2007, ambos saíram da igreja, afirmando terem sofrido constrangimentos por causa de suas diferenças com o pastor.

Eles alegam que o referido pastor retia os dízimos e ofertas, sem repassá-lo à igreja matriz, como era costume. Contrariados, conversaram com vice-presidente da igreja, que lhes disse para não entregar mais nenhum valor ao pastor.

O casal afirma que o problema não foi resolvido e, por isso, uma reunião com a matriz da igreja foi solicitada, em setembro de 2007. Após outras reuniões, em dezembro foram eles quem perderam seus cargos. A partir de então, viraram alvo de chacota por parte dos outros fiéis. Chegaram até mesmo a serem ofendidos durante uma pregação.

Decidiram então sair da igreja. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), o casal pediu esclarecimentos do caso à matriz através de cartas. Como resposta receberam apenas citações bíblicas. Decidiram recorrer à Justiça e pediram indenização por danos morais, alegando terem sido expostos a situações vexatórias. A desembargadora Márcia de Paoli Balbino, disse na sentença que esses atos vexatórios ficaram comprovados.

Por sua vez, a Assembleia de Deus afirma que eles abandonaram a tesouraria por vontade própria. Apesar de diversos esforços por parte da igreja, a implicância do casal com o pastor não permitiu que se chegasse a uma solução.

[b]Fonte: Gospel Prime com informações do portal Terra[/b]