Plano para construir novas residências para judeus na Cisjordânia pode ser aprovado pela prefeitura de Jerusalém.

Um plano para construir 1.400 novas residências para judeus na Cisjordânia pode ser aprovado até a próxima semana pela prefeitura israelense de Jerusalém, disse neste domingo um membro da Câmara dos Vereadores.

Meir Margalit disse que a comissão de planejamento de Jerusalém vai decidir, em 24 de janeiro, sobre a construção de habitações em Gilo, um assentamento urbano construído em uma região que Israel anexou após a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

“É outro prego no caixão do processo de paz”, afirmou Margalit, um membro do partido esquerdista Meretz, de oposição, sobre o projeto, que certamente causará condenação por parte de palestinos e da comunidade internacional.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, denunciou na semana passada a demolição de um hotel abandonado no leste de Jerusalém para a construção de 20 casas para judeus em um projeto de assentamento. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu publicamente dizendo que os judeus têm o direito de morar em qualquer região da cidade.

Os palestinos querem que o leste de Jerusalém, incorporado por Israel junto com a Cisjordânia, seja a capital do país que pretendem estabelecer. Os israelenses consideram toda Jerusalém como sua capital, uma reivindicação não reconhecida internacionalmente.

Um comunicado emitido pela prefeitura de Jerusalém informou que ela é obrigada por lei a discutir o plano para a construção das 1.400 habitações, que foi pedido por empresários privados.

A proposta ainda teria que ser aprovada pelo Ministério do Interior israelense, caso passe na Câmara dos Vereadores.

“Não vejo razão para não autorizar o plano”, afirmou à Reuters Elisha Peleg, membro da comissão de planejamento de Jerusalém. “É ilegítimo que governos estrangeiros interfiram nos assuntos internos da prefeitura de Jerusalém, e nós rejeitamos isso.”

Cerca de 500 mil israelenses vivem atualmente na Cisjordânia e no leste de Jerusalém, assim como 2,7 milhões de palestinos. Cerca de 40 mil judeus moram em Gilo.

A Corte Internacional disse que os assentamentos que Israel construiu na terra ocupada são ilegais. Os palestinos afirmam que os enclaves podem impedi-los de formar um Estado viável.

Nabil Abu Rdainah, porta-voz do presidente palestino, disse que mais assentamentos poderiam representar “mais obstruções” no processo de paz.

[b]Fonte: Folha Online[/b]