A Associação Mundial de Jornais (WAN) condenou as ameaças de morte contra um jornalista e o autor de uma caricatura de Maomé publicada em um jornal sueco, em um comunicado publicado nesta terça-feira, em Paris.

Apesar de conscientes de que a publicação da caricatura pode ter ofendido a inúmeros muçulmanos, a WAN enfatiza que o jornal Nerikes Allehanda “goza de total liberdade de expressão e que a opção de publicar a caricatura faz parte desse direito, que deve ser respeitado”.

O chefe do “Estado Islâmico do Iraque”, Abu Omar Al Baghdadi, autoproclamado pela facção iraquiana da Al-Qaeda, lançou na internet uma convocação para matar Lars Vilks, autor de uma caricatura que representava o profeta Maomé com um corpo de cachorro, e de Ulf Johansson, redator do jornal local que foi o primeiro a publicá-la.

A WAN “condena firmemente essa convocação e apóia totalmente a defesa do direito à liberdade de expressão dos jornalistas suecos em relação ao Islã ou qualquer outra religião, especialmente quando a religião é um elemento essencial do debate político global”.

A WAN representa cerca de 18.000 jornais e tem como objetivo defender a liberdade de imprensa e contribuir para seu desenvolvimento.

Fonte: AFP