Os ataques da véspera de Natal da Nigéria foram religiosamente motivados. O país está dividido entre muçulmanos e cristãos.

Os ataques mortais da véspera de Natal da região Central da Nigéria foram religiosamente motivados apesar do passado complicado da nação africana de lutas economicamente e socialmente alimentadas, diz a organização de missão.

“Há sempre disputas por terras,” disse Rae Burnett, vice-presidente diretor africano da Christian Aid Mission. Contudo, Burnett insistiu que os ataques da semana passada foram o resultado das disputas muçulmanas e cristãs.

“É política, no sentido de que os Muçulmanos querem retomar a Nigéria,” afirmou ela. “Eles querem à sua maneira. Eles querem mais Sharia (Lei Islâmica).”

E na Nigéria onde o país está dividido entre 50/50 Muçulmanos e Cristãos, Burnett identificou intimidação violenta como a ferramenta-chave de extremistas radicais.

Jos, capital densamente povoada da Plateau, foi vítima de uma série de seis ataques violentos na Véspera de Natal. Duas bombas explodiram próximo a um agitado mercado onde as pessoas estavam fazendo compras de Natal. Então outra explosão ocorreu em uma vizinhança cristã e uma quarta explosão ocorreu próximo a uma estrada que leva a uma mesquita em Jos.

Também na Véspera de Natal, homens armados atacaram duas Igrejas nas proximidades de Miduguri, matando seis pessoas, incluindo um pastor de Igreja e dois homens ensaiando para o culto.

O grupo radical muçulmano Boko Haram, o qual tem a história de violência contra Cristãos, tem assumido responsabilidade pelos atentados em Jos e os ataques às Igrejas. Boko Haram, literalmente “Livros, o mau,” significa “Oeste, educação não-islâmica é um pecado.”

Jos, por comparação, significa “Jesus, meu Salvador.” Jos está localizado numa zona central, entre as comunidades cristã e muçulmana. Burnett, que forneceu traduções, argumentou que os muçulmanos radicais estão bem cientes da localização central de Jos tem tido há muito tempo como alvo a área desde os ataques anteriores, em março.

O contato de Burnett, Gabriel Barau, relata que a polícia tem conhecimento de um ponto de Natal. “Ele está conectado à polícia. Eles alertaram que algo iria acontecer no Natal,” compartilhou ela.

No entanto, as autoridades nigerianas não estão totalmente convencidas de que os ataques de Março, que mataram 500 Cristãos no Estado de Plateau, um dia, e mais 13 Cristãos duas semanas mais tarde, foram religiosamente motivados.

Durante a viagem em maio do Conselho Mundial de Igrejas para Jos, na Nigéria, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Henrique Odein, disse à delegação que a violência foi incitada por questões “de natureza social e econômica.”

As aldeias podem ser destruídas e seus habitantes massacrados pelo controle da terra. No entanto, é inegável que os muçulmanos por motivos religiosos estão participando dos ataques, e as vítimas são essencialmente cristãs.

Na sequência dos ataques, a agência de apoio missionário sedeada na Virgínia criou uma linha de emergência, coletando fundos para as suas filiais em Jos. Barau, que também é presidente da Associação de Missões Evangélica da Nigéria, é uma das suas afiliadas.

Burnett explicou que, no rescaldo da tragédia de férias, os Cristãos estão em contradição uns com os outros. Alguns grupos nominais de “nomeados apenas” Cristãos, como ela descreveu, querem retaliar o ataque de forma semelhante.

Mas “aqueles que realmente têm o espírito de Cristo está realmente orando para que esta seja uma oportunidade,” disse ela, para alcançar os necessitados espiritualmente e fisicamente.

O dinheiro é necessário para enfrentar a pobreza de recursos deixados por ambos os ataques de Março e Dezembro. Burnett relatou que as pessoas precisam de roupas e alimentos.

“Por conta própria, eles não têm recursos,” afirmou. Mas com o dinheiro doado, Burnett espera que os grupos sejam capazes de alcançar os perdidos e machucados.

[b]Fonte: Christian Post[/b]