“A pessoa que fuma sabe que o cigarro vai fazer mal, mas continua assim mesmo. Depois, adoece e mesmo assim continua fumando. Assim é uma pessoa sem Deus. Sabe que Ele está ali, mas não o procura”, disse o pré-candidato, numa das frases mais demagógicas de sua pré-candidatura à Presidência.

Em nota à imprensa, a Atea considerou a manifestação de Serra “infeliz e inapropriada em diversos níveis”. O documento, publicado no site da entidade (www.atea.org.br), diz ainda que a frase do pré-candidato “revela desinformação (…) ainda é insultuosa porque iguala uma convicção filosófica a uma doença”.

A Atea também considera a declaração preconceituosa “por fazer uma generalização negativa que atinge rigorosamente a todos os ateus e avilta o caráter laico da república que ele [Serra] pretende governar”, segundo afirma a nota.

A frase de Serra foi proferida no 28º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários da Última Hora, em Camboriú (SC), evento que reuniu diferentes agrupações evangélicas.

Serra não comparou fumantes a ateus, diz RBS

A agência RBS divulgou uma correção na qual informa que, diferentemente do que foi publicado em seu site, o pré-candidato José Serra (PSDB) não comparou fumantes e ateus, durante um evento evangélico em Santa Catarina, no último sábado. A página da agência corrigiu o erro e mantém no ar a versão correta.

Leia na íntegra a nota de correção:

“Correção: Diferentemente do que informou este site na reportagem “José Serra participa de encontro religioso em Santa Catarina” (01/05/2010 – 20h39min), o ex-governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB), não se referiu a fumantes como pessoas “sem Deus”. Na verdade, o discurso do político não relacionou diretamente o fumo com a religião. Em um primeiro momento, Serra citou passagens bíblicas à multidão reunida em Camboriú e disse que a frase “Que tenham vida, e a tenham em abundância” está ligada à qualidade de vida e não apenas a ações para prolongar a vida das pessoas. Em seguida, citou programas desenvolvidos nas gestões dele frente ao governo de São Paulo e ao Ministério da Saúde, entre eles o de combate ao fumo. O texto foi corrigido”.

Fonte: O Galileu