O ativista do movimento de igrejas não registradas de Pequim, Hua Huiqi, foi secretamente sentenciado a seis meses de prisão em 4 de junho. Nem sua esposa nem seu advogado Li Dunying puderam participar do julgamento que durou cerca de duas horas na Corte Popular do Distrito de Chaoyang.

Ele foi oficialmente preso pela unidade de Chaoyang do serviço de segurança pública de Pequim em 8 de fevereiro com a aprovação do promotor do distrito, sob a acusação de obstruir a justiça. A esposa de Huiqi recebeu uma notificação da polícia em 10 de fevereiro.

Huiqi está preso desde 26 de janeiro. Ele e sua mãe foram agredidos pela polícia de Chaoyang. A polícia chegou a jogar água gelada sobre ele em uma temperatura de menos de seis graus. Espera-se que Huiqi seja libertado no mês que vem.

A mãe de Huiqi, Shuang Shuying de 76 anos, foi presa em 9 de fevereiro, acusada de danificar deliberadamente propriedade pública e privada. Ela foi sentenciada a dois anos de prisão no dia 26 de fevereiro.

“Embora a sentença [de Huiqi] seja menor do que a esperada, ainda assim não foi um julgamento justo”, disse Bob Fu, antigo parceiro de Huiqi e presidente da Associação de Ajuda à China (CAA, sigla em inglês). “Solicitamos ao governo chinês que liberte tanto Huiqi como sua mãe no espírito das Olimpíadas de 2008.”

Fonte: Portas Abertas