Julio Orviedo, ativista Gay da cidade de Rancho Queimado, Santa Catarina está denunciando abusos de homofobia praticados pelo Pastor luterano Ademir e pelo forum da comarca de Santo Amaro da Imperatriz.

Julio narra que desde a primeira edição do Jornal O tropeiro, em agosto de 2006, o pastor da comunidade evangélica local iniciou várias provocações homofóbicas com envio de e-mails contra o conteúdo do Jornal.

O Jornal recebia financiamento do programa nacional de aids e a colaboração de alguns comerciantes locais. Sem se identificar o pastor ligava para Julio Orviedo e para os comerciantes locais solicitando que retirassem o apoio ao Jornal. As ligações foram identificadas na bina vindas do telefone da comunidade evangélica luterana local. Foram registrados boletins de ocorrência policial contra o religioso por injuria, calunia e difamação.

No dia 06 de junho de 2007 foi realizada a primeira audiência de conciliação no Forum da comarca de Santo Amaro da Imperatriz, Santa Catarina, o ativista gay solicitou que o Pastor se retratasse e com a recusa do mesmo a mediação não foi feita. De acordo com Julio Orviedo, um estagiário conciliador demonstrava um ar de pouco caso com o problema e junto com o representante do ministério Público local teriam dito que a justiça teria questões mais importantes para tratar

A Secretaria de comunicação da Associação brasileira de gays, lésbicas , bissexuais e transgeneros -ABGLT abriu uma campanha para que a comunidade GLBT possa se solidarizar com o ativista Gay Julio Orviedo, repudiar a atitude homofóbica do pastor Luterano e solicitar que a justiça de Santa Catarina puna o agressor.

Fonte: Agencia GLBTS