Centenas de livros foram queimados hoje diante do Parlamento federal australiano em Canberra, em protesto à comemoração do décimo aniversário da lei federal que revogou a legalização da prática da eutanásia nos Territórios do Norte do país.

O médico ativista pró-eutanásia, Philip Nitschke, que enquanto durou a legalização, ajudou quatro pacientes terminais a morrer, disponibilizou aos cerca de 200 participantes cópias de um livro proibido para serem queimadas. O título da obra, de autoria de Nitschke, é “The Peaceful Pill Handbook” (cuja tradução seria “Manual da Pílula da Paz”) e ensina, através de instruções práticas e detalhadas, como se suicidar de maneira indolor e sem o auxílio de médicos. “O que queimamos aqui é o acesso às idéias, à informação”, declarou Nitschke.

O Parlamento dos Territórios do Norte aprovou em setembro de 1996 uma lei que permitia a eutanásia voluntária de pacientes em estado terminal, com supervisão médica.

Mas, devido às pressões da Igreja cristã e de grupos “pró-vida”, o Parlamento de Canberra acabou aprovando, em março de 1997, uma norma que anulou a lei anterior.

Fonte: ANSA