Muita reclamação e pouca ação. Assim poderia ser definida a atitude de setores religiosos e culturais da Argentina diante do crescente esvaziamento cultural da TV local. Frente ao crítico panorama, a Associação Batista Argentina (ABA), fundada recentemente, iniciou campanha para combater o lixo na TV.

O presidente da ABA, Carlos Bollatti, assinou carta de apresentação na qual reporta-se aos comentários que ele recebe diariamente de irmãos e amigos preocupados com os excessos na televisão, “sem que se escutem vozes que alertem e condenem os mesmos. Estes comentários pedem que façamos algo”.

A campanha consta de uma imagem com o título “Façamos algo positivo frente à TV lixo”. A mensagem, que afirma que “a TV é um lugar de formação da pessoa e não só empresa de lucro”, tem vários destinatários: os proprietários dos meios de comunicação, os produtores,o Estado e os anunciantes.

O público adulto, responsável pela educação da infância e da adolescência, não fica de fora da campanha. A campanha enfatiza o problema de utilizar a televisão como instrumento educativo e pede que não sejam consumidos os produtos dos patrocinadores de programas considerados “lixo” nem que a TV substitua a família, a escola e a igreja.

O objetivo da ABA é que outras comunidades de fé, instituições e famílias se unam à campanha através de iniciativas concretas, e não somente com palavras que morrem nas quatro paredes dos templos.

Fonte: ALC