Em 2004 quando ainda não era papa, o cardeal Ratzinger se pronunciou contra a entrada da Turquia no bloco por ser um país muçulmano.

O papa Bento 16 é responsável pela crescente hostilidade do Vaticano à entrada da Turquia na União Europeia, segundo telegramas diplomáticos dos EUA revelados pelo WikiLeaks e publicados pelo jornal britânico “Guardian”.

Em 2004, o cardeal Ratzinger, futuro papa, falou contra a entrada de um Estado muçulmano no bloco, apesar de na época o Vaticano ser oficialmente neutro em relação ao assunto, informa o jornal.

O chanceler do Vaticano, Monsenhor Pietro Parolin, disse a diplomatas americanos que aquela era a opinião de Ratzinger, e não uma posição oficial da Santa Sé.

Segundo o telegrama, Ratzinger era a principal voz por trás da fracassada tentativa do Vaticano de incluir uma referência às “raízes cristãs” europeias na Constituição da União Europeia.

Os telegramas também mostram que o governo americano fez lobby em Roma e Ancara para a entrada da Turquia na UE.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]