O papa Bento XVI agradeceu nesta segunda-feira seus “amigos” cardeais, em um momento difícil para a Igreja Católica após o vazamento de documentos confidenciais.

As declarações do Papa, que quis assim destacar a coesão da cúpula da Igreja em um momento difícil, foram dadas ao jornal da Santa Sé, o Osservatore Romano.

O Pontífice fez tais declarações após o vazamento de documentos oficiais, que levaram o Vaticano a preparar sua resposta no nível judicial.

Bento XVI recebeu para almoçar membros do colégio de cardeais, e os agradeceu por sua solidariedade como motivo de seu 85º aniversário e o sétimo de seu pontificado.

Foram sete anos marcados “por tantos momentos esplêndidos, mas também por noites escuras”, disse o Papa, fazendo um balanço de seu pontificado, ofuscado por escândalos de pedofilia que afetaram a Igreja Católica em vários países.

“Hoje em dia a palavra ‘militants’ (luta em latim) não está muito na moda, mas na verdade compreendemos que é certa (…). Vemos o mal dominar o mundo e formas de violência, mas também mascarado do bem, destruindo assim os fundamentos morais da sociedade”, disse.

Bento XVI referia-se assim a diversas leis sobre o aborto, a eutanásia e a família que segundo ele são inaceitáveis e contrárias à lei natural.

“Estamos nessa luta, e é muito importante ter amigos. Aqui estou rodeado de amigos do colégio de cardeais. São meus amigos e me sinto em casa, me sinto confiante em companhia destes grandes amigos que estão comigo”, declarou.

[b]Fonte: AFP[/b]