O Vaticano apresentou, esta segunda-feira, uma pesquisa realizada em nove países sobre a “leitura das escrituras”, a qual revela que a Bíblia é pouco lida, apesar de ser considerada importante pela maioria dos inquiridos.

A sondagem, que englobou cerca de 13 mil entrevistas a católicos, protestantes e ortodoxos, foi promovida pelo instituto GFK-Eurisko, sob o patrocínio da Federação Bíblica Católica, abrangendo EUA, Reino Unido, Holanda, Alemanha, Espanha, França, Itália, Polónia e Rússia. As respostas mostram que a maior parte das pessoas considera a Bíblia como sendo de “difícil leitura”.

Nos últimos 12 meses, apenas um em cinco espanhóis leram, pelo menos, uma passagem da Bíblia, percentagem que aumenta progressivamente na Itália (27%), Reino Unido (36%), Rússia (35%), Polónia (38%) e EUA (75%).

A iniciativa insere-se na preparação do próximo Sínodo dos Bispos, em Outubro, que terá como tema “A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja”. A maioria dos entrevistados tem uma cópia da Bíblia em casa, excepção feita à França, onde a percentagem é inferior a 50%.

D. Vincenzo Paglia, presidente da Federação Bíblica Católica, disse em conferência de imprensa que “o texto bíblico continua a ser desconhecido, em larga medida, e pouco assimilado nos seus conteúdos específicos”.

Fonte: Agência Ecclesia