Intervenção Divina. Assim o cabeleireiro N.G.C., 45 anos, classificou o ocorrido a ele, na noite desta quinta-feira (8), em Jacaraípe. Baleado na altura do coração, ele só não foi morto porque a bala ficou encravada na Bíblia que ele levava junto ao peito, no bolso da camisa.

Pode ser apenas coincidência, mas a bala parou justamente no Segundo Livro de Reis, no capítulo 1, entre os versículos 14 e 16. O texto fala da falta de fé em Deus do rei de Israel, que doente, mandara emissários fazer consultas a um deus pagão.

“É uma coisa para se pensar bastante a respeito”, disse o cabeleireiro, que afirmou ser muito religioso. “Esta é a segunda vez que a Bíblia me salva. A primeira foi quando eu conhecia a Palavra. Agora, acontece isso”, disse.

Segundo a vítima – que está em processo litigioso de separação -, o crime não se caracterizou como um assalto. “Eu estava com R$ 800,00 na carteira, com relógio e outros objetos. Não pediram nada. Já chegaram querendo me matar mesmo”, falou.

O cabeleireiro disse que saiu de casa às 19h40, para conversar com um sobrinho numa igreja perto da casa dele. “Não o encontrei. Então fui até o comércio dele, que também estava fechado. Quando retornava, percebi, já no bairro Manguinhos, que estava sendo seguido por outro carro, um Gol branco”, disse a vítima.

Quando colocou o carro na garagem e foi fechar o portão, N.G.C. foi abordado por um dos ocupantes do carro, já de arma na mão. “Quando vi, fui em direção a ele, para tentar impedir que atirasse. Mas ele disparou, me acertou de raspão na testa. Caí e ele atirou de novo, no peito”, finalizou.

N.G.C. foi socorrido e levado para o Hospital Metropolitano, onde foi medicado e liberado logo a seguir. Ele disse que não conhecia o atirador. O caso será investigado pela Delegacia de Jacaraípe.

Fonte: Gazeta Online