O escritor irlandês John Boyne disse que gostaria de escrever, no futuro, sobre os abusos sexuais cometidos por padres da Igreja Católica

Durante sua participação na 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, neste domingo (15), o escritor irlandês John Boyne disse que gostaria de escrever, no futuro, sobre os abusos sexuais cometidos por padres da Igreja Católica em seu país e que se tornaram mundialmente públicos nos últimos anos.

Tornado famoso a partir do livro [i]O Menino do Pijama Listrado[/i], que, assim como outros livros seus, versa sobre fatos históricos – neste caso, o Holocausto -, Boyne afirmou que escrever sobre a que foi uma triste realidade na Irlanda pode estar em seus planos porque foi algo que marcou sua infância. “Na época da escola, de sete professores, três acabaram na prisão por causa de abusos”, revelou.

O escritor, que diz já ter em mente o assunto de seu próximo romance de ficção, o qual ele não quis adiantar, ponderou que escrever sobre um assunto como o dos abusos requer cuidado, para não transformá-lo em sensacionalismo. Tudo o que Boyne não quer com seu trabalho de escritor, que começou a escrever contos aos 8 anos de idade e aos 18 publicava seus textos em jornais irlandeses.

Boyne preza para que suas obras contribuam, de alguma forma, para criar mentalidade sadia nos leitores. Ainda nesta semana, ele visitará escolas em São Paulo e no Rio de Janeiro para conversar com os alunos. “É preciso falar com as crianças para fazer com que elas compreendam o que acontece no mundo. Todas as pessoas têm essa responsabilidade. Eu falo com crianças o tempo todo”, disse.

Ao ser perguntado sobre sua opinião a respeito dos que negam o Holocausto, o irlandês citou um fato específico, que o deixou indignado. Em 2008, um programa de TV irlandês convidou para uma entrevista o historiador e escritor britânico David Irving, que em novembro de 2005 foi preso na Áustria, justamente por negar o fato histórico – o que, naquele país, é considerado crime. “O que eu não consegui entender é como dão um espaço de 25 minutos na TV, que é caro, para uma pessoa como essa. Discutir o Holocausto é o mesmo que discutir se a Terra é redonda. É simplesmente inútil escutar um lunático como ele”, analisou.

[b]Fonte: Terra[/b]