Segundo D. Jesús Berodonces, da Prelatura de Cametá (estado do Pará), a “violência é onipresente” na região leste do Amazonas. Na semana passada os bispos brasileiros pediram medidas contra a violência que assola várias regiões do Brasil.

Em entrevista recente à Ajuda à Igreja que Sofre, D. Jesus Berodonces, OAR (Ordem dos Agostinianos Recoletos), falou sobre o clima de violência no Brasil: “Nas grandes cidades existem muitos bandos rivais, ao mesmo tempo que nas pequenas povoações nas ilhas do Amazonas os habitantes não estão a salvo de assaltantes. Os mais jovens estão particularmente envolvidos na violência”.

Segundo D. Jesús Berodonces, da Prelatura de Cametá (estado do Pará), a “violência é onipresente” na região leste do Amazonas. Na semana passada os bispos brasileiros pediram medidas contra a violência que assola várias regiões do Brasil.

O missionário espanhol, que trabalha no Brasil desde 1977, acrescentou: “É por isso, e também devido a outros problemas sociais, como os conflitos sobre a terra e o empobrecimento, que a Igreja nesta região está empenhada no seu compromisso social, no apostolado da família e na formação dos leigos”.

Na passada semana, os bispos brasileiros divulgaram uma nota pastoral onde expressavam a sua preocupação perante o aumento da violência em várias regiões do país, como em São Paulo, onde se registraram 251 ataques, entre 12 e 15 de maio, por parte de bandos de criminosos contra a polícia. Foram mortos 122 agentes das forças de segurança e 90 autocarros foram incendiados.

Os prelados lamentam que “naquela triste situação, os direitos humanos de muitas pessoas não tenham sido respeitados”. Os bispos alertaram também para “os fatos ocorridos no Pará e Maranhão”, regiões onde a população se encontra “desprotegida diante das agressões de sectores organizados para a exploração agrícola e de recursos hídricos e minerais”.

Por fim, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil condenou “as constantes calúnias e ameaças de morte a pessoas da Igreja, inclusive bispos e padres, religiosos e religiosas, e a lideranças dos movimentos populares” que, na opinião dos bispos, “criam um clima de tensão e de medo para nosso povo pacífico e trabalhador”.

Os prelados brasileiros defendem assim ser “urgente a realização de projetos de desenvolvimento econômico, social e cultural que respeitem os ecossistemas e populações diferenciadas de cada região brasileira, na esperança de que a ‘justiça e a paz se abraçarão'”.

Fonte: Agencia Ecclesia