O bispo anglicano de Rochester, na Inglaterra, acusou os cristãos britânicos de se terem rendido à revolução ética e sexual dos anos 60, criando um vazio moral que agora ameaça ser preenchido pelo islã.

Esta não é a primeira vez que Michael Nazir-Ali avisa para o perigo da crescente influência islâmica na sociedade britânica. No início do ano alertou para o fato de que algumas zonas do país se tinham tornado áreas de acesso proibido a não muçulmanos, mais tarde foi dos mais ferozes críticos do Arcebispo de Cantuária quando este afirmou, num discurso, que era inevitável que a lei passasse a incorporar alguns aspectos da Sharia, a lei islâmica.

Ainda na semana passada, Nazir-Ali voltou a criar alguma polêmica por dizer que a Igreja britânica estava falhando no seu dever de evangelizar os emigrantes de outras religiões que se encontravam no país.

O Bispo de Rochester fala com conhecimento de causa quando aborda o Islã. Nascido e criado no Paquistão, onde os cristãos constituem apenas 2% de uma população esmagadoramente muçulmana, mudou-se para o Reino Unido quando começou a receber ameaças de morte no seu país natal.

Agora, num artigo publicado na revista Standpoint, o bispo culpou o declínio da influência do cristianismo na sociedade pelo vazio moral em que esta se encontra. Uma situação diante da qual as instituições cristãs “praticamente capitularam”.

Um dos vários sinais deste declínio é a quebra dos laços comunitários e a crescente onda de violência urbana que tem chocado o país. Só este ano, 15 jovens sofreram mortes violentas em Londres. O penúltimo destes foi o ator Rob Knox, que teve um papel secundário no mais recente filme da série do Harry Potter, que deu a vida em defesa do irmão mais novo numa escaramuça num bar em que foram usadas navalhas.

Fonte: Rádio Renascença