O bispo britânico Richard Williamson, que em abril terá que depor na Justiça alemã por negar o Holocausto, ainda insiste em qualificar o extermínio de judeus por nazistas de “enorme mentira”, como publica a revista “Der Spiegel”.

A publicação alemã, que sai à venda na segunda-feira, cita e-mails internos da Irmandade de Pio, seguidora do arcebispo francês Marcel Lefevre, em que Williamson nega a morte de seis milhões de judeus.

Nos textos, o bispo critica o fato de que, sobre esse “dado” do Holocausto, foi construída uma “nova ordem mundial”.

Segundo Williamson, só 1,3 bilhão de judeus deportados foram levados dos campos de extermínio de Treblinka, Madjanek, Belzec e Sobibor para a região da União Soviética ocupada pelo Exército nazista, mas nenhuma morreu em câmaras de gás.

Em entrevista a um canal sueco há mais de um ano, o bispo britânico negou que tenha havido um assassinato sistemático de judeus nas câmaras de gás durante o Terceiro Reich.

A negação do Holocausto na Alemanha é crime. O Ministério Público de Regensburg puniu Williamson com uma multa de 12 mil euros pelas declarações, mas como o bispo entrou com recurso, foi aberto um processo penal para o caso.

Fonte: EFE