O bispo integrista britânico Richard Williamson não se apresentará na sexta-feira ao tribunal de Ratisbona, sul da Alemanha, onde será julgado por declarações que negam o Holocausto dos judeus pelos nazistas, anunciou o advogado de defesa.

“Não se apresentará. Na audiência explicarei o motivo”, declarou à AFP Matthias Lossman, advogado de Williamson.

O bispo Williamson, membro da organização católica integrista Fraternidade de São Pio X, deve ser julgado por “incitação ao ódio racial” em consequência das declarações negacionistas formuladas em Ratisbona e exibidas pela televisão sueca em 21 de janeiro de 2009.

Pelas mesmas declarações, Williamson foi obrigado a deixar em fevereiro de 2009 a Argentina, onde morava desde 2003.

“Acredito que não existiram câmaras de gás. Acredito que de 200.000 a 300.000 judeus morreram nos campos de concentração, mas nenhum nas câmaras de gás”, afirmou Williamson, negando o massacre de seis milhões de judeus pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Ao receber a denúncia, o tribunal de Ratisbona propôs a Williamson aceitar um procedimento judicial simplificado e encerrar o caso com o pagamento de uma multa de 12.000 euros, o que o bispo negou por discordar da acusação.

Três dias antes da divulgação das declarações, o Papa Bento XVI suspendeu a excomunhão de quatro bispos da Fraternidade, entre eles a do prelado britânico, para acabar com o cisma dos tradicionalistas, que não aceitam as reformas eclesiásticas do Concílio Vaticano II.

Fonte: AFP