Para o monsenhor Antoine Audo, uma intervenção armada na Síria representaria o risco de “uma guerra mundial”.

O bispo católico de Aleppo, monsenhor Antoine Audo, advertiu nesta segunda-feira que uma intervenção armada na Síria representaria o risco de “uma guerra mundial” e o jornal do Vaticano criticou a falta de “prudência” dos ocidentais que contemplam esta possibilidade.

“Se houver uma intervenção militar, isto representaria, na minha opinião, uma guerra mundial. Novamente existe este risco. A coisa não é tão fácil”, advertiu Audo em declarações à Rádio Vaticano.

“Esperamos que a intervenção do Papa para favorecer um autêntico diálogo entre as diferentes partes do conflito, para encontrar uma solução, possa ser um primeiro passo para que as armas não sejam utilizadas e se atue de maneira que as pessoas possam viajar, se comunicar, dialogar”, recomendou este bispo católico caldeu, que também preside a organização humanitária Cáritas Síria.

“Isso é o que esperamos: uma força internacional que ajude a dialogar e não a fazer a guerra”, insistiu.

O jornal do Vaticano, o Ossservatore Romano, criticou nesta segunda-feira os governos ocidentais.

“Os ecos de uma intervenção armada dos países ocidentais são cada vez mais insistentes e menos contidos pelo dever de prudência. Diversos representantes dessas nações se dizem convencidos do caráter fundado da acusação de uso de armas químicas pelo Exército sírio, uma questão sobre a qual está em andamento uma investigação da ONU”, ressalta o jornal do Vaticano.

O papa Francisco pediu no domingo que “o barulho das armas seja calado” na Síria ao denunciar a “multiplicação das matanças e atrocidades”, e pediu que a comunidade internacional encontre uma solução.

[b]Fonte: AFP[/b]