A poucos quilômetros de onde começa a transposição do rio São Francisco, não há movimento na capela onde o bispo de Barra (BA), frei Luiz Cappio, tentou barrar a obra com uma greve de fome, quase dois anos atrás. Embora não tenha voltado à cidade para a ocasião da chegada do Exército, o bispo promete novos protestos.

Contará com apoio de índios truká, cuja aldeia fica a apenas 600 metros do ponto de captação das águas do eixo norte. Maiores adversários da obra na região, eles cogitam acampar nas vizinhanças do canteiro de obras, em protesto contra a suposta diminuição do volume de água do rio e conseqüente prejuízo à pesca e à agricultura. “Puseram o Exército para ficar mais difícil o confronto”, imagina Francisco Truká, uma das lideranças da tribo.

Por telefone, o bispo de Barra disse que se sente “indignado e traído” porque o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu levar o projeto adiante assim que o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu o efeito das ações que paralisaram a obra por um ano, na seqüência do “jejum” de 11 dias de frei Cappio, em Cabrobó.

“Essa obra não vai dar certo, o interesse é mais pelo dinheiro que vai rolar, como a gente vê na Operação Navalha”, criticou o bispo, numa referência ao esquema de desvio de verbas, segundo a Polícia Federal, comandado pela construtora Gautama, uma das que disputam um dos 14 lotes da obra da transposição. “É mais uma torneira aberta para o dinheiro público”, atacou.

No município de Cabrobó, com exceção dos índios truká, os testemunhos colhidos pela Folha sugerem o isolamento do bispo, ainda que os moradores tenham uma idéia bastante vaga do que seja a transposição. “Com certeza,o bispo está isolado, o clima é positivo”, diz o prefeito Euder Caldas (PTB), entusiasmado com melhorias que o projeto promete trazer.

Caso vingue, a mobilização planejada pelo bispo de Barra e apoiada pelos truká poderá alcançar o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) na caravana que fará até o local das obras, na semana que vem. A vinda de Lula está para ser confirmada nos próximos dias.

Fonte: Folha de São Paulo