D. Luiz Gonzaga ligou para dono de gráfica onde foi impresso material acusando PT de ser favorável ao aborto.

O empresário Paulo Ogawa, proprietário da Editora Pana, disse que ontem cedo d. Luiz Gonzaga Bergonzini, bispo da Diocese de Guarulhos, telefonou para ele pedindo desculpas “pelos transtornos causados”. Domingo, às 6 da manhã, a Polícia Federal apreendeu no galpão da gráfica, no bairro do Cambuci, 1 milhão de cópias do panfleto Apelo a todos os brasileiros e brasileiras.

Segundo Ogawa, o bispo colocou à disposição dele um advogado. Ele disse que recebeu ligação do suposto assessor da CNBB 1, Kelmon Luiz de Souza, “um fanático”, informando que o pagamento de R$ 30 mil pela impressão será realizado dia 5. “A diocese vai pagar”, informou Ogawa.

A busca na gráfica foi determinada pelo ministro Henrique Neves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deferiu medida cautelar pleiteada pelo PT. “O conteúdo do panfleto caracteriza, em uma primeira análise, peça de propaganda eleitoral negativa”, assinalou o ministro. “Nos termos da legislação eleitoral atual, as igrejas não podem contribuir com publicidade em favor ou contra candidatos.”

Ogawa relatou que, inicialmente, um lote de 100 mil panfletos foi encomendado. Por e-mail a Alexandre, filho do empresário, Kelmon formalizou o pedido dia 15 de setembro com emissão de fatura em nome da diocese. O serviço foi orçado em R$ 3 mil. A diocese cogitava 20 milhões de cópias, mas Ogawa se propôs a imprimir 2 milhões. “Eu sabia que era alguma coisa sobre aborto, mas é uma posição da Igreja que considero válida e tem a minha simpatia. Sou contra o aborto”, disse. “Sabia que ia dar muvuca quando o PT soubesse. Era um folheto com a assinatura de três bispos e responsabilidade de d. Luiz. Não vou duvidar.”

Ele revelou que com os panfletos seria entregue às paróquias cópia de uma carta de D. Luiz que pedia imediata distribuição do material. “Com os nossos cordiais cumprimentos em Cristo, estamos enviando o presente lote de material da nossa campanha contra o aborto”, diz o texto. “Os impressos foram produzidos graficamente por conta e ordem da nossa Diocese, sem valor comercial.” O bispo observa que a Igreja Católica “goza de imunidades tributárias concedidas pela Constituição”.

Ogawa disse que também produziu jornais para candidatos do PT, Paulo Teixeira e Simão Pedro, reeleitos deputados federal e estadual, e para a Mulher Pera, que candidatou-se a deputada pelo PTC. Ele negou vínculo com o PSDB e que tenha sido assessor de José Serra na Saúde. “O PT está procurando pelo em ovo. Nunca tive vínculo político. Sou apartidário. Nunca pedi uma nomeação. É mais uma lorota.”

[b]Fonte: Estadão
[/b]