O bispo diocesano de Uberlândia, dom Paulo Francisco Machado, determinou a todos os párocos que, a partir de 2009, não permitam mais a venda de bebidas alcoólicas nas festas promovidas pela Igreja.

A decisão vale para nove cidades que compõem a Diocese (Uberlândia, Araguari, Tupaciguara, Monte Alegre, Araporã, Estrela do Sul, Cascalho Rico, Grupiara e Indianópolis).

“Não sou inovador, só estou trazendo para cá uma decisão que já foi tomada há muitos anos por outros bispos”, disse dom Paulo Machado. Segundo ele, cada vez mais a Igreja se vê empenhada na Pastoral da Sobriedade. “É uma incoerência nas festas vender bebidas alcoólicas e ter uma Pastoral da Sobriedade, nós deveríamos ser os primeiros a dar o exemplo de sobriedade”, afirmou.

Essa pastoral foi criada há três anos pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para trabalhar ações concretas de prevenção e recuperação da dependência química.

A integração entre as pastorais, movimentos, comunidades terapêuticas e casas de recuperação é proposta pela CNBB para, “por meio da pedagogia de Jesus-Libertador, resgatar e reinserir os excluídos, propondo uma mudança de vida através da conversão”.

“Nós sabemos que a bebida é a causa de dissolução de muitos lares, provoca muita dor, violência, não podemos admitir isso. Isso não é coisa minha, eu só estou trazendo à memória uma coisa que os bispos anteriormente já decidiram.”

Igreja quer promover a virtude da temperança

O bispo dom Paulo Machado diz que é papel da Igreja ajudar as pessoas que “não têm a virtude da temperança”. São cristãos que vivem uma vida de vício e por isso a Igreja não pode incentivar. Pelo contrário, nós incentivamos a temperança, a virtude”, disse o bispo.

Homem virtuoso é, segundo ele, livre diante do álcool. “É a pessoa que tem a liberdade de dizer que quer ou não quer, pode ou não pode beber, porque não é escrava do álcool, é esse equilíbrio que a Igreja deve promover”, afirmou.

A virtude da temperança é considerada pela Igreja como virtude cardeal, que diz respeito ao comportamento do cristão.

São as virtudes morais, que segundo a Igreja levam uma pessoa a escolher entre o bem e o mal. É sobre esta prudência que Jesus fala no Evangelho: “Eis que vos mando como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois, prudentes como a serpente e simples como as pombas” (São Mateus 10:16) e também: “Quem julgas que é o servo fiel e prudente, a quem o seu senhor constituiu sobre a sua família, para lhe distribuir de comer a tempo?” (São Mateus 24:45).

Bebidas: medida compromete vendas, mas não há oposição

Assunto é tabu entre organizadores de festas em paróquias uberlandenses que evitam o assunto sobre a orientação do bispo diocesano, dom Paulo Francisco Machado, de não permitir a comercialização de bebidas alcoólicas em festividades promovidas pelas comunidades católicas. A maioria afirmou que não tomou conhecimento dessa determinação eclesiástica.

No entanto, para o construtor Norman Mendes Colares, que ajuda na organização das festas promovidas pela Paróquia Nossa Senhora das Dores, com barraquinhas na praça Coronel Carneiro, a medida deverá afetar as vendas durante os eventos religiosos. “Acho que o movimento vai cair mais da metade. Para vender espetinho tem que ser acompanhado com uma cervejinha. O intuito é arrecadar para a própria Igreja. A mais afetada vai ser a Igreja”, disse.

Para a empresária e fiel Mara Rúbia de Ávila, o veto à bebida alcoólica é uma atitude coerente do clero uberlandense. “A Igreja tem a função e a missão de tirar as pessoas do alcoolismo. É contraditório vender bebida em festa da Igreja.”

Fonte: Correio de Uberlândia