Cinco bispos da Igreja da Inglaterra acusaram neste domingo o Governo do primeiro-ministro, Gordon Brown (foto), de “corrupção moral” e qualificaram de “escandalosas” suas políticas para enfrentar a atual crise financeira.

Em entrevistas ao “Sunday Telegraph”, os bispos de Durham, Winchester, Hulme, Manchester e Carlisle afirmam que o Reino Unido sofre com problemas como crise familiar, tendência ao endividamento e crescente divisão entre ricos e pobres.

O bispo de Manchester, Nigel McCulloch, afirmou que o Executivo está “seduzido pelo dinheiro e ficando moralmente corrupto”.

Por sua vez, o bispo de Durham, Tom Wright, lamentou que o Partido Trabalhista não tenha feito o suficiente para apoiar os menos favorecidos desde que chegou ao poder, em 1997.

“Os trabalhistas fizeram muitas promessas, mas muitas delas viraram fumaça. Não vimos um aumento das aspirações nos últimos 13 anos. Por outro lado, há uma sensação de desesperança. Enquanto os ricos ficaram mais ricos, os pobres se tornaram mais pobres”, afirmou Wright.

“Quando um grande banco ou companhia automobilística quebra, é nacionalizado”, ressaltou o bispo de Durham, ao denunciar que esse tipo de medida não ajuda “as pessoas que estão perdendo seus empregos e vêem suas economias reduzidas” na atual crise.

O bispo de Hulme, Stephen Lowe, criticou o Governo por estimular os cidadãos com grandes dívidas a “gastar mais”, e criticou o plano da Administração do Partido Trabalhista para melhorar a economia que, segundo ele, visa às próximas eleições gerais, previstas para 2010.

“Isso é moralmente suspeito e pobre. É injusto e irresponsável que o Governo pressione os cidadãos a gastar para reativar a economia”, disse Lowe.

Além disso, acusou o Governo de querer retornar à situação anterior à crise creditícia, na qual existia um “compromisso excessivo” dos cidadãos com suas dívidas, hipotecas e os mercados financeiros.

Em termos similares expressaram-se os bispos de Carlisle, Graham Dow, e de Winchester, Michael Scott-Joynt. Para Dow, “a ruptura da família é um elemento crucial das dificuldades da sociedade atual”.

Na semana passada, o primaz anglicano e arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, afirmou que a política de Brown de incentivar a despesa para atenuar a crise é como “o retorno de um viciado às drogas”.

Uma porta-voz do Governo respondeu que a “justiça” é um eixo central da política do Executivo, e que o Partido Trabalhista conta com “um sólido histórico de tirar as pessoas da pobreza”.

Fonte: EFE